31 março 2022

vera pavlova / a balança

 
 
Sobre um dos pratos, a alegria.
No outro, a tristeza.
A tristeza é mais pesada.
É por isso que
a alegria é mais alta.
 
 
 
vera pavlova
é por isso que a alegria é mais alta
poemas russos dos séculos vinte e vinte um
versões de luís filipe parrado
contracapa
2022




30 março 2022

ruy belo / nada consta

 
 
Falta-me a folha cinco
E entretanto a barba foi crescendo
a minha barba veio crescendo ferozmente
indiferente à morte de um ou outro amigo
às letras protestadas aos desgostos domésticos
às viagens lunares às convenções às lutas
Quando as coisas se erguem contra o homem
se eriçam agressivas contra ele
nem ao poeta basta o parapeito das palavras
Eu por exemplo homem de pouco tempo
trazido pelos dias aqui estou
Continuo a dizer: se alguma coisa há
que podias perder e ainda não perdeste
de que já a perdeste podes estar certo
Falta-me a folha cinco
Estou com a barba feita
Ainda este ano talvez em marienbad
eu vi mulheres curtidas pelos lutos
Mal de morte é o meu
em plena posição de pé às três da tarde
em meio do movimento do rossio
sentado à tarde no cinema em dias de semana
Já caem carnes já se perdem pêlos
já quase só me resta a devoção
lisboa certos dias um amigo às vezes
Poucas coisas importantes pensei durante a vida
uma mesa de sol em pleno inverno
um mar incontroverso alguns papéis
– continua a faltar-me a folha cinco –
pois apesar de tudo nada consta
 
 
 
ruy belo
país possível
todos os poemas II
assírio & alvim
2004




29 março 2022

pierre louÿs / o tempo ido que teima em ficar

 
 
LVII
 
Deixarei a cama tal como ela a deixou, desfeita
e em desalinho, os lençóis entrançados num só,
para que a forma do seu corpo continue impressa
ao lado do meu.
 
Até amanhã não irei ao banho, não me vestirei,
nem pentearei o meu cabelo, com medo
de apagar-lhe as carícias.
 
Não comerei esta manhã, nem mesmo à tarde;
não porei carmim nem pó nos lábios,
para que o seu beijo permaneça.
 
Deixarei as portadas das janelas fechadas
e não abrirei a porta, não vá a lembrança
latente partir com o vento que passasse.
 
 
pierre louÿs
o sexo de ler de bilitis
elegias em mitilene
trad. maria gabriel llansol
relógio d´água
2010




28 março 2022

níkos kavvadías / coaliers

 
 
Em terras do canal da Irlanda, em Liverpool, em Swansea
Entre as gruas das docas vê a gente manhã cedo
Uns homens a passar que não têm ar de marinheiros
Mas seguem para os barcos em descuidado folguedo.
 
Cinco ou seis braças têm os barcos e tão parecidos
Que muita vez se cansam a procura-los no cais
Altas proas pesqueiras, chaminés pontiagudas,
E suas fainas duram uma semana, não mais.
 
Trazem vestidas calças por passar enxovalhadas,
E camisas de rede seja Inverno ou seja V´rão
Um grande lenço para o lume à volta do pescoço
E seguem aos baldões segurando-se pela mão
 
Entram porém pelo terrível canal de Saint-George
Vão de proa direita aonde impera o nevoeiro
Onde os faróis marítimos com roncos de aterrar
Põem louco o incauto que nunca os ouviu primeiro
 
Ufanos cruzam o Atlântico das altas vagas
Adivinham onde estão os faróis pelas buzinas
E vão dançando vagarosa dança sobre as ondas
Que os homens dos cargueiros chamam ondas bailarinas
 
Os marujos flamengos riem-se deles e dizem
Que os ingleses não choram mais de um dia cada morto
E mesmo que quisessem chorar mais não tinham tempo
Pois por cada dez que partem só voltam cinco ao porto
 
Têm por costume seu comprar a comida a contado
Uma lata de aveia e um pedaço de presunto
Mas preferem beber o dinheiro até vir o mestre
Arrastá-los para bordo no último minuto
 
Mas melhor malta que eles nunca em minha vida vi
Vão para bordo tropeçando aos pares de mãos dadas
E sem seque darem bem conta muitas vezes
Vão ao fundo co´os barcos em sonoras gargalhadas.
 
 
 
níkos kavvadías
inimigo rumor, nº 14
tradução de manuel resende
livros cotovia
2003
 



27 março 2022

natércia freire / guerra

 
 
São meus filhos. Gerei-os no meu ventre
Via-os chegar, às tardes, comovidos,
Nupciais e trementes,
Do enlace da Vida com os sentidos.
 
Estiveram no meu colo, sonolentos.
Contei-lhes muitas lendas e poemas.
Às vezes, perguntavam por algemas.
Respondia-lhes: mar, astros e ventos.
 
Alguns, os mais ousados, os mais loucos,
Desejavam a luta, o caos a guerra.
Outros sonhavam e acordavam roucos
De gritar contra os muros que há na Terra.
 
São meus filhos. Gerei-os no meu ventre.
Nove meses de esperança, lua a lua.
 
Grandes barcos os levam, lentamente…
 
 
 
natércia freire
liberta em pedra
1964




 

26 março 2022

maria alberta menéres / hoje a tristeza é outra e dela falo

 
 
Hoje a tristeza é outra e dela falo
com a minha língua de ar. Em tudo existe
uma polida lágrima embrulhada
em papel deslumbrado de outras mágoas.
Algo me diz que nada se transmite
da paixão à mais lenta compaixão,
dos dedos aos enredos   da prudência
à tão pura imprudência passeando
no peito que um feroz acolhimento
para ela em seus ócios inventou.
Porque a tristeza é outra e dela falo
hoje por ser diferente e triste ser.
 
 
 
maria alberta menéres
o jogo dos silêncios 1996
poesia completa
porto editora
2020




 

25 março 2022

victor oliveira mateus / poema com pássaros dentro

 




 
nos dias de muito frio
vêm os pássaros acoitar-se
entre a persiana descida
e a janela fechada
 
alinham-se em fila indiana
aconchegam-se uns aos outros
espiam-me deitado na cama
depois acabam por partir
sem me dizer para onde
 
é então que me lembro
do rouxinol de keats
da cotovia de de shelley
dos melros de junqueiro
e da irene lisboa
e lembro-me também de nós
sempre com uma janela fechada de permeio
 
há nos pássaros qualquer coisa de humano
igualmente divididos
entre uma plenitude que possuem
e um impercetível temor que os bloqueia
 
 
 
victor oliveira mateus
uma casa no outro lado do mundo
labirinto
2021





24 março 2022

leopoldo maría panero / branca-de-neve despede-se dos sete anões

 
 
Prometo escrever-vos, lenços que se perdem no horizonte, risos que empalidecem, rostos que caem sem peso sobre a erva húmida, onde as aranhas tecem agora as suas teias azuis. Na casa do bosque estalam, de noite, as velhas madeiras, o vento agita coçados cortinados, entra apenas a lua através das gretas. Os espelhos silenciosos, agora, que grotescos!, envenenados pentes, maçãs, malefícios, que cheiro a lugar fechado!, agora, que grotescos!. Terei saudades vossas, nunca vos esquecerei. Lenços que se perdem no horizonte. Ao longe ouvem-se pancadas secas, uma após outra as árvores sucumbem. Está à venda o jardim das cerejeiras.
 
 
 
leopoldo maría panero
inimigo rumor, nº 14
tradução de pedro serra
livros cotovia
2003



23 março 2022

pedro tamen / ivan illitch

 
 
Não perguntei ao agonizante que paisagem
via para além dos pés da cama
que era aquilo dos rostos inquietos
se de verdade inquietos
aos pés da cama há tantos dias          ai
há tantos          tantos dias
espreitando          espreitando de olhos molhadinhos
a passa passividade          a quase passada
posição deitada mas respirante ainda
 
 
Não perguntei se do outro lado
por cima ou          bem melhor          atrás
da vazia cabeça          alguma coisa ardia
sem nada anunciar
tudo pronunciando
 
 
 
pedro tamen
relâmpago nº. 13 10-2003
revista de poesia
fundação luís miguel nava
2003




 

22 março 2022

blaise cendrars / prosa do transiberiano e da joaninha de frança

 
 
Nesse tempo estava eu na adolescência
Tinha apenas dezasseis anos e já não me lembrava
          da minha infância
Estava a 16.000 léguas da terra onde nascera
Estava em Moscovo, na cidade dos mil e três
          campanários e das sete estações de caminho
          de ferro
Mas não estava farto das sete estações
          e das mil e três torres
Porque a minha adolescência era tão ardente
          e tão louca
Que o meu coração ardia, alternadamente, como
          o templo de Éfeso ou a Praça Vermelha
          de Moscovo
Quando o sol se põe.
E os meus olhos iluminavam caminhos antigos.
E era já tão mau poeta
Que não sabia ir até ao fim.
 
O Kremlin era como um imenso bolo tártaro
Coberto de ouro,
Com as grandes amêndoas das catedrais muito
          brancas
E o ouro meloso dos sinos…
Um velho monge lia-me a velha lenda de Novgorode
Eu tinha sede
E decifrava caracteres cuneiformes
Depois, subitamente, os pombos do Espírito-Santo
          levantavam voo na praça
E as minhas mãos voavam também, com sussurros
          de albatroz
Eram as ultimas reminiscências do último dia
Da última viagem
E do mar.
 
No entanto, eu era muito mau poeta.
Não sabia ir até ao fim.
Tinha fome.
E todos os dias e a todas as mulheres dos cafés
          e a todos os copos
Gostaria de bebê-los e parti-los
E a todas as montras e a todas as ruas
E todas as casas e todas as vidas
E a todas as rodas dos fiacres que rodavam
          em turbilhão pelas más estradas
Gostaria de mergulhá-los numa fornalha de gládios
E triturar todos os ossos
E arrancar todas as línguas
E liquefazer todos os enormes corpos estranhos e nus
          sob vestimentas que me transtornam…
Pressentia a vinda do grande Cristo vermelho
          da revolução russa…
E o sol era uma chaga terrível
Que se abria como um braseiro.
 
[…]
 
 
 
blaise cendrars
prosa do transiberiano e da joaninha de frança.
poesia em viagem
trad. liberto cruz
assírio & alvim
1974




 

21 março 2022

artur do cruzeiro seixas / as paisagens vieram de muito longe

 
 
As paisagens vieram de muito longe
para nos receber
e é ver na copa das árvores
barcos que se debatem
no momento do naufrágio.
No museu das tuas unhas fundas
o sonho desperto
arrasta-nos para o subterrâneo azul.
Eficientes são essas tuas asas nocturnas
indiferentes aos grupos antagónicos arrastando chaves
que se cruzam com outros          conduzindo espelhos
com em cada cérebro um idioma fremente.
É a vitória do fragmento que passa e repassa
enquanto a mão repousa ainda
sobre a torneira do dilúvio.
Da ilusão da morte
dizem-nos os viajantes que
dirigindo uma petição às formigas
encontraremos a maneira mais eficaz
de jamais compreender este sonho de bronze vermelho
quando aninhado nos nossos ouvidos.
 
Áfricas 67
 
 
 
artur do cruzeiro seixas
obra poética vol. I
quasi
2002




 

20 março 2022

antonio gamoneda / não tenho medo nem esperança

 
 
Não tenho medo nem esperança. De um hotel fora do
destino, vejo uma praia negra e, longínquas, as gran-
des pálpebras de uma cidade cuja dor não me afecta.
 
Venho do metileno e do amor; tive frio debaixo dos
tubos da morte.
 
Agora contemplo o mar. não tenho medo nem espe-
rança.
 
 
 
antonio gamoneda
livro do frio
trad. de josé bento
assírio & alvim
1999



 

19 março 2022

angél gonzález / crise

 
 
O ideal, nestes casos,
seria morrer de morte natural,
fazer um gesto amargo,
deitar-me
definitivamente,
e partir com cuidado
para que ninguém possa
dar-se por ofendido.
Mas isso não é possível,
descontando Deus nosso Paia
– e os outros.
Por isso
– frio na rua, tédio
em quantos passam –
não saio do sítio, e vivo
– coração assediado pelo pranto –
a minha hora terrível:
a que ainda não soou.
 
 
 
angél gonzález
para que eu me chame ángel gonzález
uma antologia
selecção e tradução de miguel filipe mochila
língua morta
2018




18 março 2022

rui diniz / (love poem)






 
O tempo é a flor da marijuana e as tardes tristes.
Toda a tarde um morto na principal praça. À
distância, o fumo azul de uma exumação no cemitério.
E neste café leio o amor de Jaime e de Gisèle.
Nas ruas da Baixa a cidade inventa pessoas vivas,
mas os anos são vasos de tédio e copos de gin num bar.
Sigo com o olhar o vento: é leve e azulado.
Uma flor salta-lhe da boca, uma boca excêntrica e
floral. Uma a uma as pétalas e as páginas vão sendo
espalhadas pelos jardins e cais. É o crepúsculo no mar,
por fim. Acendem-se as luzes, amarelas e ninfómanas.
Ouço num búzio a espuma imóvel. Respiro o tempo.
E os meus olhos em silêncio recordam Sapho numa
ilha.
 
 
 
rui diniz
ossos de sépia
noemas
língua morta
2022




 

17 março 2022

ana hatherly / 463 tisanas

 
 
72
 
Era uma vez uma ausência que andava em missão de viagem. Quando chegava a uma encruzilhada dava três voltas sobre si própria para perder por completo a noção do caminho por onde viera atingindo assim com regularidade as regiões efémeras do esquecimento. Depois regressava a casa.



ana hatherly
463 tisanas
quimera
2006




 

16 março 2022

a. c. swinburne / rosamunda

 
 
O medo é uma almofada sob os pés do amor,
Com cores que são para ele tranquilas;
Vermelho suave e branco tingido de sangue, azul
De flores, verde que se une ao estio,
Doce púrpura prometido ao mar e um negro calcinado.
Todas as formas coloridas do medo, presságio e mudança,
Uma triste profecia seguida de incertos rumores,
Premonições, astrologias e perigosas
Inscrições, o que a memória nos recorda,
Tudo fica encoberto pelo manto do amor,
E, quando ele o sacode, tudo será derrubado,
Agitado e levado no rosto poeirento do ar.
 
 
 
a. c. swinburne
poemas
tradução de maria Lourdes Guimarães
relógio d’ água
2006
 



15 março 2022

lawrence ferlinghetti / oh, tu que recolhes

 
 
Oh, tu que recolhes
          a fina cinza da poesia
                    cinza da chama demasiado branca da poesia
Pensa nos que arderam
          antes de ti
                              no fogo tão branco
Crisol de Keats e Campana
          Bruno e Safo
                    Rimbaud e Poe e Corso
E Shelley a arder na praia em Viareggio
 
E agora no meio da noite
          da conflagração geral
                    a luz branca
                              ainda a consumir-nos
                    pequenos palhaços
                         com as nossas velinhas
                              erguidas em direcção à chama!
 
 
 
lawrence ferlinghetti
a poesia como arte insurgente
tradução de inês dias
relógio d´água
2016




 

14 março 2022

dmitry prigov / imaginem isto: um gigante poderoso…

 



 
Imaginem isto: um gigante poderoso adormece
E de súbito o seu pé move-se para Norte
Então toda a gente no Norte foge para o Sul
Ou no Sul ele agita talvez uma mão
E toda a gente regressa outra vez ao Norte!
Mas digamos que de súbito acordam em simultâneo
A razão, a honra, a perspicácia e a consciência
O que acontecerá aqui! E em que direcção
                                 deveremos correr?!
 
 
 
dmitry prigov
é por isso que a alegria é mais alta
poemas russos dos séculos vinte e vinte e um
versões de luís filipe parrado
contracapa
2022



13 março 2022

teixeira de pascoaes / feita de sol é a carne que nos veste

 
 
Feita de sol é a carne que nos veste
Os ossos, que são feitos de luar.
E a nossa alma é sombra
A sonhar e a pensar, conforme é dia
Ou noite, pois em nosso pensamento
Esplende o sol.
Mas, ao luar, é que se expande
O nosso dom fantástico, esse voo
Sem fim do nosso ser
Que ultrapassa as estrelas,
E alcança, além do tempo, a eternidade,
E o infinito, além do espaço,
E Deus, além dos deuses.
 
S. João de Gatão, Março de 1950
 
 
 
teixeira de pascoaes
cadernos de poesia
III série, fascículo 14
Lisboa 1953




12 março 2022

josé mário silva / isto de cantar

 
 
1.
pergunto
mais uma vez:
o que é isso
de cantar?
 
2.
e talvez tudo
se resuma
a gestos
simples
 
abrir muito os pulmões
ao ar frio da madrugada,
 
fazer da voz uma corda
a que outros se agarrem,
 
desencostar o corpo afeito
às superfícies habituais
 
3.
ou então
encontrar o ímpeto,
o momentum,
o momento,
o mau vento,
o isqueiro,
o dialecto,
o rastilho,
o esqueleto,
o vago lume
do intelecto,
o desejo que desejas,
de flores em coroa
e cerejas, espuma
branca das cervejas,
ganas esganadas,
vendaval aberto,
visceral acerto,
um módico
de ironia ácida
na óbvia motivação
tácita, mais
as feridas
abertas há
séculos entre nós
e a Taprobana,
uma mesma, comum,
taquicardia, a tornar dura
a mole humana
 
4.
Tudo à primeira, sem esforço
 
(querias, não querias?)
 
pois nada disso
 
é sempre à enésima,
e só escorço
 
5.
por cima do verso o risco
que o rasga como aos vermes
da terra a lâmina da enxada
 
eis o vinco de tinta sobre tinta,
a incisão oblíqua, o reverso, golpe
mortal no que ficou aquém de terso
 
6.
Sempre
tudo por dizer?
E então?
Passemos
a palavra
como quem
trafica, sim,
como quem trafica
ouro roubado
(ouro marado)
 
 
 
josé mário silva
voo rasante
antologia de poesia contemporânea
mariposa azual
2015




 
 

11 março 2022

josé saramago / primeiro e segundo poemas dos mortos

 
 
1.
Os homens são mortais mas não se pode ter a certeza de que todos
     o sejam só aqueles que são vistos morrer diante dos nossos olhos
 
Quem vai saber se dentro do caixão fechado o corpo está ainda ou
     pelo contrário se ausentou deixando apenas o peso
 
Os homens são talvez mortais porque em verdade são muitos os que
     não voltamos a ver e a morte em tais casos será convenhamos
     uma razoável probabilidade
 
Mas muitos outros a maioria são provavelmente imortais porque vêm
     já vivos quando os vemos pela primeira vez
 
E assim continuarão noutros lugares se neste não habitam mais
 
Aliás nem seria concebível outro modo de conseguirem estar os homens
     em toda a parte com as flores numa planície que em uma só manhã
     se abrem
 
Ou um bando de aves migradouras repartindo o céu sobre o mundo ou
     um rápido e rebrilhante cardume de peixes que remexe o oceano
     benevolente
 
Os homens serão imortais um dia mas a prova não se fará antes de a
     Terra se acabar e mesmo assim
 
Porque poderão os homens ter-se ausentado dela sem mais deixando
     somente a memória como o peso num caixão vazio
 
 
2.
Hoje a terra tremeu porque os mortos se voltaram sobre o lado direito
     para aliviarem o coração
 
É um abalo diferente dos outros que mais se julgaria o suspiro de um
     corpo adormecido que rola um pouco e facilmente esquece
 
E é também um movimento tão igual ao da vida que nos sismógrafos o
     registo muda de cor e o traço é como um fio de sangue
 
Porém os vivos fogem medrosos para a rua e não entendem as mudanças
     e pensam que todo o abalo é terramoto e cataclismo
 
Os mortos enterrados a menos de dois metros de superfície desafogam
     o coração enquanto escutam o arfar do núcleo ígneo da Terra
 
Sorrindo sábios conforme se afasta o rumor dos pés que fogem porque
     sempre voltam à palavra interrompida
 
 
 
josé saramago
experiência de liberdade
antologia de textos publicados no
suplemento artes e letras
do diário de notícias de
maio a novembro d e1975
diabril
1976







10 março 2022

samih al-qasim / assim

 
 
como se planta uma palmeira no deserto
como minha mãe dispõe, sobre a minha cara dura, um beijo
como meu pai tira a capa beduína
e soletra as letras ao meu irmão
como arrasta os cascos de guerra um pelotão
como a haste de trigo se levanta na terra estéril
como uma estrela sorri ao namorado
como seca uma brisa o rosto fatigado do trabalhador
como entre nuvens espessas se levanta uma soberba fábrica
como um grupo de amigos começa a cantar
como um estranho para outro sorri afectuosamente
como uma ave volta ao ninho do amado
como um rapaz leva a sua sacola
como o deserto adverte da fertilidade
assim pulsa em minh ‘alma a arabidade.
 
 
 
samih al-qasim
rosa do mundo
2001 poemas para o futuro
tradução de adalberto alves
assírio & alvim
2001