21 maio 2019

amalia bautista / duas gotas de suor




I
Há alguém no mundo, só não sei onde,
ou até sei, mas é melhor esquecer,
que me despe apenas com o olhar
e me sonha vestida de princesa.
Alguém com quem não posso resistir
a arder sob o duche.
Alguém com quem se torna inevitável
eu suar num iglu.


II
Choro quando não estás, suo contigo.
O suor e o pranto são iguais,
tenazes e salgados
tal o mar dos meus sonhos e o oceano
inabarcável dos meus pesadelos.
Não peço muito, mas gostava de
suar um pouco mais e chorar menos.



amalia bautista
estou ausente
tradução de inês dias
averno
2013





20 maio 2019

ron padgett / por um momento




É engraçado como
se te desprenderes
das coisas

elas voltam
a ti. Ou seja,
às vezes. Então

para que serve
esta generalização?
Ah, faz-te

sentir bem dizer
coisas destas
de tempos a tempos,

como se de facto
e realmente e verdadeiramente
soubesses alguma coisa!


ron padgett
poemas escolhidos
trad. rosalina marshall
assírio & alvim
2018






19 maio 2019

agustina bessa-luís / poesia




A poesia, não acredito que seja esse estado nervoso tão doente e agitado. Alguns poetas parece que lhes arrancam os dentes ou deliram numa meditação assombrosa com coisas que nos descrevem o amor e a morte, mas não sabemos se se lhes parecem. A poesia, vou dizer-vos o que é: eu tinha uma avó velhíssima, de quase cem anos, que perdera já a memória do presente. Não reconhecia as filhas, que a não deixavam nunca só e a serviam continuamente. Não reconhecia os lugares da casa, a porta chapeada de zinco que abria para o caminho, a outra porta pequena que abria para o quinteiro. Mas, às vezes (eu fixo-me numa ou duas em que assisti a isso), ficava atenta à chuva que caía, e ordenava, levantando a mão tão branca e ociosa, ela que trabalhara tanto a amassar a farinha e carregara tantas abadas de legumes e de feijão, e carregara ao peito os filhos também. Ela disse, olhando pela janela a eira inundada: «Vem ali o teu pai e não tem casaco. Leva-lhe um casaco para que a chuva o não molhe.» Era uma cena que ela reproduzia fielmente passados mais de quarenta anos, e isso era poesia.

A melhor impressão que a poesia nos pode dar é esta: ficar de coração vagabundo, deixando a vareja estalar na janela as asas grossas, e não dar por isso, como um cão surdo.



agustina bessa-luís
dicionário imperfeito
guimarães editores
2008






18 maio 2019

roland barthes / «mostrai-me alguém para desejar»




3.
Para te mostrar onde está o teu desejo, basta proibir-te um pouco (se é verdade que não há desejo sem proibição). X… deseja-me ali, perto dele, mas deixando-o um pouco livre: submisso, ausentando-me por vezes, mas permanecendo pouco afastado: é preciso, por um lado, que esteja presente, criando a proibição (sem a qual não haveria bom desejo), mas que também me afaste no momento em que, formado já este desejo, me arriscasse a estorvá-lo: é necessário que esteja a Mãe suficientemente boa (protectora e liberal) à volta da qual brinca a criança enquanto ela cose calmamente. Tal seria a estrutura do par «bem sucedido»: um pouco de proibição, muito jogo; designar o desejo e depois deixá-lo, à maneira destes indígenas amáveis que nos indicam o caminho certo sem, no entanto, se incomodarem em acompanhar-nos.


roland barthes
fragmentos de um discurso amoroso
trad. isabel pascoal
edições 70
2017





17 maio 2019

adam zagajewski / mudança



Havia meses que não escrevia
nem um único poema.
Vivia com humildade, lendo os jornais,
pensando no enigma do poder
e nas causas da obediência.
Olhava para os pores-do-sol
(escarlates, cheios de inquietação),
escutava o emudecimento das vozes dos pássaros
e o silêncio da noite.
Via os girassóis a pendurarem
as cabeças ao lusco-fusco, como se um carrasco distraído
passeasse por entre os jardins.
No parapeito recolhia-se
a doce poeira de Setembro enquanto os lagartos
se escondiam nas curvaturas dos muros.
Dava longos passeios,
sedento duma coisa só:
dum relâmpago,
duma mudança,
de ti.



adam zagajewski
sombras de sombras
tinta-da-china
2017






16 maio 2019

howard altmann / a manter a postura



A história senta-se numa cadeira
de um quarto sem janelas.
De manhã procura uma porta,
à tarde dorme a sesta.
Ao bater da meia-noite,
espreguiça-se e boceja.
Está no tempo certo e fora do tempo,
sabe o seu lugar e não sabe o seu lugar.
Às vezes considera a cadeira um degrau,
às vezes acredita que a cadeira não está lá.
Vista dos cantos nunca parece a mesma.
Quando está lua cheia mantém a inteireza.
A história senta-se numa cadeira
num quarto por cima das nossas casas.



howard altmann
enquanto uma fina neve cai
trad. eugénia de vasconcellos
guerra & paz
2019





15 maio 2019

miguel filipe mochila / a vida faz-me falta para andar contente



E então é assim: a tarde passa
a língua só tangeu um par de coisas
é tão daninha a língua quando atrasa
de a deixar tão fruste assim à solta
sem ter onde aterrar
e vai planante
alta demais para largar raízes
baixa demais para ser sonora
e a aflita música nunca acorda
e então cala-se e ainda alada
podia bater as asas a vida toda
porque é ainda língua mais volátil
se volante enfim se arrasta
à pressa na prosa dos jornais…
e eu fico à escuta, aqui, parado
é triste ser-se alegre para a escrita
os dias porcos também cantam qualquer coisa
e eu queria mais era ter arte
para ouvir a valsa que desata
a dançar com o vento nos currais…
mas nunca acontece nada e então absurda
a fome já fermenta a carne fraca
ponho a mesa para o poema faz-me falta
levar um coração inteiro à boca
e então já oiço e quase existo
perto fala um vento atrás da porta
e se pergunto com que língua me vai entrar em casa
se será toda odorífera e sonora
como na velha casa a voz já morta
quando era viva a voz e a casa viva
se passará por mim rasante como a mosca
que se põe a pensar no voo e cai na sopa
se terá maneiras e timbre da rapariga
que sempre se tolhe quando pede
mais…
mas logo o sentido clama e a língua perde-se
a dizer isto e depois isto
(branco e azul não são a mesma coisa,
não é sangue o que no céu se arrasta
quando o sol se põe, etc., etc.)
e lá fora o que oiço é sempre só o que oiço
este tinir da chuva contra o copo
no parapeito a repetir já rouco
a algazarra da festa de ontem
o concerto alegre de ontem
que sendo de ontem
já não toca…
e é então que eu penso:
coisas reais nunca vêm à minha mesa
é triste este ser-se alegre e os dias cantam
e eu não ter arte, e ser já tarde
e a festa ter sido ontem e assobiante
ouvir-se o vento sobre os porcos
que belos bailam nos currais…




miguel filipe mochila 
nervo/5
colectivo de poesia
maio/agosto 2019











14 maio 2019

al berto / eras novo ainda



6

eras novo ainda
mal sabias reconhecer os teus próprios erros
e o uso violento que de noite eu fazia deles

esta cama de minerais secos
escrevo para despertar a fera de sol pelo corpo
escorrem aves de cuspo para a adolescência da boca
e junto ao mar existe ainda aquele lugar perdido
onde a memória te imobilizou

enumero as casas abandonadas ao sangue dos répteis
surpreendo-te quando me surpreendes
pela janela espio a paisagem destruída
e o coração triste dos pássaros treme

quando escrevo mar
o mar todo entra pela janela
onde debruço a noite do rosto tocado… me despeço


al berto
eras novo ainda 1981/1982
o medo
assírio & alvim
1997






13 maio 2019

mário-henrique leiria / claridade dada pelo tempo



VI

não posso
tu sabes que não posso
repetir-me
o sangue que cai uma vez
não torna a cair
a estrela   a febre
as unhas cravadas no peito
palavra já afirmada
dita por mim e por ti
não   não   não
não quero
outra vez a mesma existência
tu sabes
que o abandonar o corpo
dentro de uma longa superfície
nos faz saber que
– cavalo ou mola de aço –
tudo é exaustivamente brilhante
os próprios extremos da noite
 se colam aos nossos dedos
e palpavelmente nos aparecem
luminosos
erguidos eroticamente

o espaço povoado
por esferas de cristal
digo eu
não sei   talvez

não posso
tornar à primeira vez
que te encontrei

agora vai
leva os teus braços
os teus olhos
o teu sexo

parte
deixa-me apenas
o vento

maio 1950


mário-henrique leiria
obras completas
poesia
e-primatur
2018







12 maio 2019

miguel torga / negrume



De tanto olhar o sol, queimei os olhos.
De tanto amar a vida, enlouqueci.
Agora sou no mundo esta negrura,
À procura
Da luz e do juízo que perdi.

Cego, tacteio em vão a claridade;
Louco, cuspo no rosto da razão;
E deambulo assim
Dentro de mim,
Negação a negar a negação.


miguel torga
câmara ardente
1962







11 maio 2019

josé gomes ferreira / as crianças



XIII

As crianças
atiravam o Sol umas às outras
a brincarem no pátio
entre gritos alegres de poeira.

Não percebo porque os deuses
em vez de viverem com os homens
nos esperam na sombra
com caveiras de incenso
e invenção de pequenos enredos na morte
para entreter o silêncio.


josé gomes ferreira
poesia V
memória – I 1957-1958
portugália
1973






10 maio 2019

josé tolentino mendonça / calle principe, 25




Perdemos repentinamente
a profundidade dos campos
os enigmas singulares
a claridade que juramos
conservar

mas levamos anos
a esquecer alguém
que apenas nos olhou



josé tolentino mendonça
a noite abre meus olhos
(poesia reunida)
assírio & alvim
2006






09 maio 2019

juan luis panero / enigmas e despedidas




Um gato que mia na noite antes de morrer,
um gato que mia, o seu histérico adeus.
Que segredo, que estranho e banal mistério
a vida nos oculta nesse grito atroz?
Como olhar depois o seu lugar na sombra,
as unhas da morte, a pele da impotência?
Tantos anos a partilhar o destino
que é agora uma cesta vazia,
derrotados arranhões, uns olhos apagados,
o absurdo de tudo, enigmas e despedidas.



juan luis panero
poemas
trad. joaquim manuel magalhães
relógio d´água
2003