13 agosto 2022

fernando lemos / o meu peito é um tecto

 
 
O meu peito é um tecto
Quando os olhos se me fecham
pouso as mãos ao acaso do meu túmulo
Mapa dos meus sentidos
 
Do amor tenho tudo
a dor e o ódio
Há um sossego em saber-me
com uma morte guardada no bolso
 
Do passado fica-me um golpe
que não é mortal mas derrama
todo o seu sangue nos forros da roupa
Estou apertado
 
Estou apertado e suspenso
O meu peito é um tecto
 
 
fernando lemos
poesia
porto editora
2019




12 agosto 2022

edith södergran / decisão

 
 
 
Sou uma pessoa muito madura,
mas ninguém me conhece.
Os meus amigos têm uma falsa imagem de mim.
Eu sopesei a docilidade nas minhas garras de águia
                                                           e conheço-a bem.
Oh, águia. Que doçura no voo das tuas asas!
Vais ficar em silêncio como tudo?
Queres talvez escrever? Mas não escreverás mais.
Cada poema será a perversão de um poema,
não poema, mas garras de águia.
 
 
      Framtidens skugga, 1920
 
 
 
edith södergran
o mundo adormecido espera impaciente
antologia de poesia finlandesa
trad. amadeu baptista
contracapa
2021




 
 

11 agosto 2022

charles simic / III

 
 
Sou o último soldado napoleónico. Quase duzentos anos passados, estou ainda em retirada de Moscovo. A estrada é ladeada por bétulas e a lama chega-me aos joelhos. A mulher com um só olho quer vender-me um frango e eu estou completamente nu.
Os alemães vão para um lado, eu para o outro. Os russos vão ainda para outro e dizem adeus. Comigo tenho um sabre de gala. Uso-o para cortar o cabelo, que está com um metro e vinte.
 
 
 
charles simic
o último soldado de napoleão
trad. francisco josé craveiro de carvalho
edições eufeme
2018




10 agosto 2022

jack gilbert / um tipo de coragem

 
 
A pastora da quinta além foi
tirada da escola agora que tem doze anos, e a sua vida acabou.
Arranjei um trabalho de Verão nos moinhos ao meu brilhante irmão
e ele lá ficou toda a vida. Vivi quatro anos com uma
mulher que mais tarde enlouqueceu, fugiu do hospital.,
atravessou a América à boleia, aterrorizada e na neve,
sem casaco. Foi violada pela maioria dos homens que lhe deram
boleia. Dou um pouco à manivela do coração e ele revira-se.
Paira alto no sol sobre continentes e erupções
de mortalidade, entre ventos e imensidões de chuva
que cai por quilómetros. Até que todo o mundo seja superado
pelo que sobe e em nós sobe, contudo, cantando e
dançando e lançando flores lá para baixo.
 
 
 
jack gilbert
deixem-me ser ambos
trad. leonor castro nunes e marcos pereira
destrauss
2020



09 agosto 2022

paul bowles / noites

 
 
Tempos houve, aqui ou além,
em que o murmúrio das palavras não era suficiente.
 
Em alguma estante da memória jaz um Verão perdido,
um que não guardámos para saborearmos um dia.
certamente acabou depressa, com inesperados nevoeiros,
com o vento a deslizar pela incomensurável escuridão.
 
Nenhuma voz podia ser suficiente, aqui ou além,
e as horas caindo velozmente.
 
                                                            1977
 
 
 
paul bowles
poemas
trad. josé agostinho baptista
assírio & alvim
2008
 



08 agosto 2022

josé alberto mar / um rosto uma ilha

 
 
Um rosto, uma ilha de aparências
separada pelas águas
onde é breve a mão antiga
do sono
vivo por dentro
lembrando a amarga inocência
dos olhos na distância.
 
 
Dez./87
 
 
 
josé alberto mar
hífen 4 abr/ set 89
cadernos semestrais de poesia
viagens
1989



 

07 agosto 2022

fernando luís / desviou o rosto

 
 
Desviou o rosto. Sabia
como ninguém suster
a conduta dos instintos.
Estonteante, sob as águas,
fechou-se à tempestade.
 
O céu esfolava os corpos
e as palavras
reacendiam a trovoada de junho.
 
Caminhava, em todos os seus
movimentos era invisível
o estilhaço do prazer
e das afeições.
 
Um inábil vigor tornara-o
esquivo, encarcerado entre
extremos de suspeita, o nublado
mundo das suas mãos.
 
Não pedia senão silêncio,
flores fechadas.
 
 
 
fernando luís
hífen 4 abr/ set 89
cadernos semestrais de poesia
viagens
1989




06 agosto 2022

eduardo pitta / no enredo dos caminhos

 
 
1.
 
Os cães eram mudos e deu com eles por
acaso, farejando relógios de areia.
Naquela terra árdua havia ainda o enigma
dos homens e do seu alfabeto traído.
 
Podia pensar-se num simulacro. Era apenas
método. A obstinada construção de uma vontade
sem objecto.
Teria voltado fosse como fosse.
 
2.
 
Antes de nós outros tentaram.
Muitos não sabem que viagem alguma
se repetirá. Toda a demanda é vã.
Aquele muro não está ali
 
por acidente. Sequer a gosto de qualquer
feitor com inclinações pré-rafaelitas.
A manhã tinha ficado parecida com um pedaço
de vidro e era nítida a evidência de desastre.
 
 
3.
 
As coisas são como são.
Sempre haverá uma mão senhora de exemplar
desprendimento, atenta ao sufoco
e à deslocação da alma.
 
Assim foi, por socalcos de tabaco,
o enredo dos caminhos, ardente
magia. Pouco importa saber
que toda a paisagem mente.
 
 
4.
 
Gente propensa a ver a luz por um funil
a vê-la assim em corredores,
esplendidamente ignorante das forças vitais,
de qualquer alegoria. Esse sentido
 
mediúnico, três vezes milenário, de fabular
a perversa mudez dos animais.
Contudo eles estão onde os encontramos.
E estão simplesmente calados.
 
 
 
eduardo pitta
hífen 4 abr/ set 89
cadernos semestrais de poesia
viagens
1989




 

05 agosto 2022

emanuel jorge botelho / viagem, (estudos)

 
 
1.
 
que golfinho cortou a pele da água,
o mapa embuçado
nas esquinas do medo?
 
quem sarou a morte do sal?
 
 
2.
 
há uma âncora de fogo
no porão dos anjos
 
na fuligem dos trevos, a sorte da viagem
 
 
3.
 
levavas no bolso um limão de oiro
 
o tigre e o fruto
do pomar dos remos
 
 
(versões, talvez provisórias, para
o livro LADAILHAS)
 
 
 
emanuel jorge botelho
hífen 4 abr/ set 89
cadernos semestrais de poesia
viagens
1989





 

04 agosto 2022

al berto / regressa do túmulo dos mares do sul

 
 
regressa do túmulo dos mares do sul
enterra os dedos na penumbra que separa o dia
da noite das cidades recorda o restolhar das serpentes
a seiva lívida do loureiro estremecendo ao sentir
o rosto da criança que foste contra o tronco
 
na tua memória já não existem paisagens de ossos
nem pássaros nem punhais de luz dentro da insónia
a criança que em ti morreu crescendo
usou sapatos com atacadores e gravata
pela primeira vez foi ao cinema sozinha
com olhar turvo de melancolia anda por aí
à procura de quem a queira
 
 
 
al berto
hífen 4 abr/ set 89
cadernos semestrais de poesia
viagens
1989
 



03 agosto 2022

antónio pedro / distância



 

XXI
 
Sei lá das coisas perdidas!
Sei lá das coisas ganhadas!
– Sei das sombras esmaiadas,
Sempre em mim anoitecidas.
 
– Sei dos sonhos que me embalam,
E que me fazem chorar,
Sei dos mortos que me falam,
Sei das imagens do ar.
 
– Não sei de mim, nem me importa,
Nunca soube de ninguém!
Sei do luar à minha porta,
Sei d´Ela que me quer bem!
 
… O resto pouco me importa,
Que o descubra quem n’o tem
 
 
 
antónio pedro
distância 1928
poesia (1926-1929)
edições cosmorama
2016

 


 

02 agosto 2022

yvette k. centeno / o café

 
 
 
Sentadas nas mesas do café
as pessoas olhavam sem ver bem
e nos olhos de cada uma iam passando a sério
os ódios pequeninos quotidianos
como um enterro de terceira classe lento
e grave
seguido por dois cães de luto
e um chapéu funerário sem cabeça
 
 
 
yvette k. centeno
opus 1
entre silêncios
poesia 1961-2018
glaciar
2019




 

01 agosto 2022

josé maria valverde / o céu envenenado

 
 
Meus filhos, as chuvas deste outono
vão ser, outra vez, doces e amáveis.
Mas não vos molheis muito, ninguém sabe
o que se passa com os seus átomos ferido.
Pelos vistos, a palavra do futuro
num mundo feliz e livre, obriga
agora a este veneno nas vossas medulas.
Perdoem-nos, a mim e à vossa mãe,
que nos quiséssemos quando começavam já
a ocorrer estas coisas sobre a terra.
 
 
josé maria valverde
iluminação do eu
antologia de poesia hispano-americana
tradução de daniel ferreira
contracapa
2021