22 junho 2017

carlos de oliveira / as marés em redor da tua ilha



As marés em redor da tua ilha;
o pequeno arquipélago na paz
da solidão marinha; a maravilha
do jeito da onda eu o teu corpo faz.

Sobre o pálido estuque da parede,
como um espelho da minha própria imagem,
uma seara de Van Gogh morre à sede
no óleo espesso e fulvo da estiagem.

Ao calor do céu de tela passa,
arrancando pedaços de céu velho,
um bando de aves que pressente a ameaça
no horizonte de cor, raso vermelho.

E de repente dou comigo absorto,
as mãos entre papéis de antigos versos,
soprando um lume que supunha morto
e aquece ainda os dias já submersos.

Ó mãos inquietas, porque não parais?
Mais do que penso, sonho: donde vim?
e as pupilas do tempo, azuis, mortais,
acordam a chorar dentro de mim.




carlos de oliveira
a noite inquieta
antologia poética
quasi
2001





21 junho 2017

al berto / cinco fotografias para alexandre da macedónia



1

apesar de Alexandre ter um olho de cada cor
a fotografia tinha o rigor das imagens a preto e branco
a noite desabara sobre os corpos estendidos
a lua surgia como um tentáculo de gelo
apercebíamos mãos voláteis por ente as estátuas
um de nós teimava em esconder-se no interior de uma delas

os répteis temiam a pedra
com seus inalcançáveis corações de quartzo
pulsando
uma cabeça azulada pousa docemente sobre os joelhos
a noite era um estuário de dedos emaranhados
na memória húmida das bocas… alguém contou:
a lebre é capaz de mudar de sexo em plena correria
eu não acreditei
os olhos vigiavam o exterior do corpo
quando te curvaste para colher um medronho

pelas fendas da janela entrava uma fragrância rubra
e a luz espessa deitava-se
sobre as areias cobertas de lodo
pouco sabíamos acerca do ciúme
deambulávamos à procura de um deus fogoso e terno
ou dalgum poço onde nos debruçarmos

depois tocámo-nos como crianças desajeitadas
enumerámos as terras que dali se avistavam



al berto
cinco fotografias para alexandre da macedónia
1981






20 junho 2017

herberto helder / fonte


IV
Mal se empina a cabra com suas patas traseiras
na lua, e o cheiro a trevo
no focinho puro, e os cornos no ar
arremetendo aos astros. E sobre a solidão das casas,
entre o sono e o vinho derramado,
curvam-se os cascos de demónio –
ágeis, frágeis.
E o sonâmbulo desejo do nosso coração
tudo absorve ao alto, como uma tenebrosa
vertigem

E quando o esplendor invade as bagas
Venenosas – patético , o silêncio dos dedos
docemente o procura.
Então as veias, suspensas,  mudam a conjunção
do sangue que ascende e que mergulha.
Uma estrela tremenda queima a fronte de apoIo.
E a mandíbula, os pés, a invenção, a loucura e o sono
secreto:
 – terrível, a beleza espalha sobre nós
a branca luz violenta.

Um dia começa a alma, e um caçador atinge
a cabra ao alto, fremente, no flanco
com uma flecha casta.
Lentamente cantamos o espírito dos livros.
E brilha toda a noite, no sangue espesso
e maduro do bicho
maravilhoso,
o dardo do caçador.
Um dia começa o nosso amor – ardente, infeliz,
misterioso. Porque a cabra
é qualquer coisa de materno e antigo –
e o nosso coração a rodeia,
e bate. Durante a noite irrompe da terra o trigo.

 – Subtil, a sombra das flautas subindo pelas mãos.
E sob a nossa boca roda a imagem do mundo, rosácea
abstracta, ou rosa aglomerada
e quente. Na penumbra das casas,  as mulheres
respiram – surdas, cegas e loucas
de beleza. E no sono aberto as palavras são
mortalmente confusas.

– Mal se levanta a cabra sobre as letras puras, sobre
a forma árdua e amarga da melancolia.


herberto helder
poesia toda
a colher na boca
assírio & alvim
1996





19 junho 2017

eugenio montale / a poesia (em itália)




Desde os alvores do século se discute
se a poesia existe dentro ou fora.
Primeiro venceu o dentro, depois contra-atacou
duramente o fora
e desde há anos se assiste a um empate
que não poderá durar visto que o fora
está armado até aos dentes.



eugenio montale
«La poesia (In Italia), Quaderno di quatro anni (1977)
vozes da poesia europeia III
traduções de david mourão-ferreira
colóquio letras 165
2003



18 junho 2017

álvaro de campos / mas eu não tenho problemas tenho só mistérios




Mas eu não tenho problemas tenho só mistérios.
Todos choram as minhas lágrimas, porque as minhas lágrimas são todos.
Todos sofrem no meu coração, porque o meu coração é tudo.

s.d.


álvaro de campos
livro de versos
fernando pessoa
estampa
1993




17 junho 2017

antónio pedro / se houve engano de olhos



Se houve engano de olhos,
Nunca esta alma minha
Se levou dos olhos,
Bem amada minha.

Olhos de alma, claros
Pela tua graça
E onde o teu sorriso
Namorado passa.

- Meu sorriso, aberto,
Porque é derradeiro,
Este foi, decerto,
Meu amor primeiro.




antónio pedro







16 junho 2017

ana hatherly / 463 tisanas



135

Convém cultivar com coragem a intrepidez na raiz do pensamento: que cada um se coloque diante de si energicamente como diante dum estrangeiro e quando atingir o limite do suportável, o momento em que é preciso tomar uma decisão total, então compreenderá que a situação limite que conduz ao crime é a insuportabilidade da traição. Dormitam em todo o homem estas faculdades.


ana hatherley
463 tisanas
quimera
2006





15 junho 2017

josé carlos ary dos santos / o relógio

(adereço conceptual para usar no pulso)



Pára-me um tempo por dentro
passa-me um tempo por fora.

O tempo que foi constante
no meu contratempo estar
passa-me agora adiante
como se fosse parar.
Por cada relógio certo
no tempo que sou agora
há um tempo descoberto
no tempo que se demora.

Fica-me o tempo por dentro
passa-me o tempo por fora.


ary dos santos
vinte anos de poesia
adereços, endereços 1965
círculo de leitores
1983




14 junho 2017

daniel faria / a mão aberta já não liga



A mão aberta já não liga
E o sol desce tão devagar como o último voo das pombas
Há nos meus olhos dois poços
Na paisagem
Duas estrelas que ferem como rodas dentadas dentro de máquinas
E é noite. No meio do escuro peço
Uma pedra incendiada. Pego-a com ambas as mãos
Levo-a à boca e das chamas bebo
Água



daniel faria
explicação das árvores e outros animais
fundação manuel leão
1998




13 junho 2017

adolfo casais monteiro / a vida inteira



Entrega o teu coração ao dia de hoje
como se ele fosse em si a vida inteira.
Entrega o teu destino de olhos cegos:
amanhã é água profunda a cuja espelho
risos e lágrimas de hoje não toldaram.

O coração verdadeiro não tem guia.


adolfo casais monteiro
simples canções da terra
1949



12 junho 2017

andré breton / improcedente




Arte dos dias arte das noites
A balança das feridas que se chama Perdoa
Balança vermelha e sensível ao peso de um voo de ave
Quando as amazonas de gola de neve de mãos vazias
Empurram os seus carros de vapor por cima dos prados
Essa balança incessantemente enlouquecida eu a vejo
Vejo a íbis com belas maneiras que regressa do tanque laçado no meu coração
As rodas do sonho enfeitiçam os esplêndidos trilhos
Que se levantam muito alto sobre as conchas dos seus vestidos
E o pasmo salta daqui dali por sobre o mar
Parte minha querida aurora não esqueças nada da minha vida
Toma estas rosas que trepam no poço dos espelhos
Toma as palpitações de todas as pestanas
Toma até mesmo os fios eu sustêm os passos dos funâmbulos e das gotas
                                                                                                                      de água
Arte dos dias arte das noites
Estou à janela muito longe numa cidade cheia de pavor
Lá fora homens de cartola seguem-se a intervalos regulares
Semelhantes às chuvas que eu amava
Quando precisamente o tempo estava tão bom
«Na raiva de Deus» é o nome de um cabaré onde eu ontem entrei
Está escrito na frontaria branca em letras mais pálidas
Mas as mulheres-marinheiros que deslizam por detrás das vidraças
São demasiado felizes para serem medrosas
Aqui jamais corpos sempre o assassinato sem provas
Jamais o céu sempre o silêncio
Jamais a liberdade a não ser pela liberdade.



andré breton
«Non-lieu», Le Revolver à cheveux blancs (1932)
vozes da poesia europeia III
traduções de david mourão-ferreira
colóquio letras 165
2003





11 junho 2017

álvaro de campos / dobrada à moda do porto




Um dia, num restaurante, fora do espaço e do tempo,
Serviram-me o amor como dobrada fria.
Disse delicadamente ao missionário da cozinha
Que a preferia quente,
Que a dobrada (e era à moda do Porto) nunca se come fria.
Impacientaram-se comigo.
Nunca se pode ter razão, nem num restaurante.
Não comi, não pedi outra coisa, paguei a conta,
E vim passear para toda a rua.
Quem sabe o que isto quer dizer?
Eu não sei, e foi comigo...
(Sei muito bem que na infância de toda a gente houve um jardim,
Particular ou público, ou do vizinho.
Sei muito bem que brincarmos era o dono dele.
E que a tristeza é de hoje).
Sei isso muitas vezes,
Mas, se eu pedi amor, porque é que me trouxeram
Dobrada à moda do Porto fria?
Não é prato que se possa comer frio,
Mas trouxeram-mo frio.
Não me queixei, mas estava frio,
Nunca se pode comer frio, mas veio frio.

s.d.


fernando pessoa
poesias de álvaro de campos
edições ática
1980





10 junho 2017

luís vaz de camões / se as penas com que amor tão mal me trata




Se as penas com que Amor tão mal me trata
Permitirem que eu tanto viva delas,
Que veja escuro o lume das estrelas,
Em cuja vista o meu se acende e mata;

E se o tempo, que tudo desbarata
Secar as frescas rosas sem colhê-las,
Mostrando a linda cor das tranças belas
Mudada de ouro fino em bela prata;

Vereis, Senhora, então também mudado
O pensamento e aspereza vossa,
Quando não sirva já sua mudança.

Suspirareis então pelo passado,
Em tempo quando executar-se possa
Em vosso arrepender minha vingança.



luís vaz de camões
sonetos






09 junho 2017

jaime garcia-maíquez / a lua




É outra vez a lua, a de sempre
a de toda a vida:
a lua dos séculos vindouros,
a lua medieval, a que brindava
com a sombra de Li-po,
a que pisou o homem,
a de prata, a vermelha, a amarela,
a deusa dos ritos ancestrais,
o templo do silêncio,
                                      o espelho da alma.
Também a lua desta mesma noite
diária e cambiante,
ou aquela aterradora superfície
da primeira sombra, quando o sol
deu a luz à lua.

É outra vez a lua
                              e estes versos
são outra vez o mesmo, o obstinado,
frenético e absurdo malefício
de lhe escrever um poema.
– que para ser sincero também não satisfez
o eterno objectivo de invocar essa luz –

No entanto, em muitas tentativas literárias
Que trago às costas, consegui
da lua um triunfo;
                                 fazer dela,
à força de fracassos,
o monumento que jamais um homem
ousara erguer à sua derrota.




jaime garcia-maíquez
tradução de josé colaço barreiros
canal nr. 2
revista de literatura
palha de abrantes
1998



08 junho 2017

antónio josé forte / mar de ninguém



No mar de ninguém
o navio fantasma e a sua hélice de sangue
à distância de um tiro
onde é a entrada abrupta dando para o torso adolescente
o de sempre quando é preciso procurar uma passagem
entre fios esticados de garganta a garganta
e um tambor estilhaçado à altura do peito





antónio josé forte
caligrafia ardente
hiena
1987





07 junho 2017

ángel crespo / meditação do mortal



Morrer será como fechar o livro,
mas não será como apagar a luz
ou beber o último
gole.
         Será,
para quem vai juntando
tanto mundo disperso,
não descansar, mas sim
deixar que outros reúnam
o que juntou com o que não juntei.



ángel crespo
antologia da poesia espanhola contemporânea
selecção e tradução de josé bento
assírio & alvim
1985



06 junho 2017

paul claudel / o mundo é tão belo



9

Ah
o mundo é tão belo
que é preciso
colocar aqui
alguém capaz
de não se mover
de manhã
até à noite




paul claudel
cent frases pour éventails (1927)
vozes da poesia europeia III
traduções de david mourão ferreira
colóquio letras 165
fundação calouste gulbenkian
2003





05 junho 2017

e e cummings / há pouquíssimo tempo



50.
há pouquíssimo tempo,
isto é, uma vida,
ao caminhar no escuro
encontrei-me com cristo

jesus) o meu coração
saltou-me do peito
e ficou quieto
enquanto ele passava (tão

perto como eu estou de ti
sim, mais perto
feito de nada
excepto de solidão



e e cummings
antologia de poesia anglo-americana
de chaucer a dylan thomas
trad. antónio simões
campo das letras
2002