22 agosto 2017

antónio franco alexandre / a rectidão da água; o crescimento



a rectidão da água; o crescimento
das avenidas, ao anoitecer, sob a nua
vibração dos faróis;

o laço, mesmo, das portas só
entreabertas, onde a luz
silenciosa se demora;

são memórias, decerto, de um anterior
esquecimento, uma inocente
fadiga das coisas,

como os corpos calados, abandonados
na véspera da guerra, o teu
jeito para

o desalinho branco das palavras,
altas as
asas de nuvens no clarão do céu

em vão rigor abrindo
o destinado enigma: assim
desconhecer-te cada dia mais

ausente de recados e colheitas,
em assustado bosque, em sombra
clareira,

ao risco dos rios frívolos descendo
seixos polidos, desinscritos,
imóveis movendo

a luz do dia;
a margem recortada, aonde vivem
ausentes e seguros, os luminosos

animais do inverno;
assim são na verdade os muros claros;
assim respira o tempo, a terra intensa.


antónio franco alexandre
poemas
a pequena face
assírio & alvim
1996







21 agosto 2017

josé gomes ferreira / e ficámos para sempre nos olhos das aves




X
E ficámos para sempre nos olhos das aves
naquela noite em que os corações das flores
bateram no chão das nossas sombras.

Mas eras tu de facto que ias a meu lado?

Ou o meu sonho de ti
num corpo aproveitado?



josé gomes ferreira
gomes leal 1948
poesia III
portugália
1971





20 agosto 2017

álvaro de campos / não ter emoções, não ter desejos, não ter vontades,



Não ter emoções, não ter desejos, não ter vontades,
Mas ser apenas, no ar sensível das coisas
Uma consciência abstracta com asas de pensamento,
Não ser desonesto nem não desonesto, separado ou junto,
Nem igual a outros, nem diferente dos outros,
Vivê-los em outrem, separar-se deles
Como quem, distraído, se esquece de si...

s.d.



álvaro de campos
livro de versos
fernando pessoa
estampa
1993





19 agosto 2017

antónio reis / penso se é ainda



Penso se é ainda
a  infância que dura
ao comer em silêncio
a carne no pão

E tu imitas o pai
julgando que apenas
estou a brincar


antónio reis
poemas quotidianos
tinta da china
2017





18 agosto 2017

fernando pinto do amaral / lisboa-94




Descri  do tempo: a vida arrependeu-se
de todas as promessas, dia a dia
irrompendo e rompendo o infinito
do que chamamos febre, labareda
acesa desde sempre. Neste corpo
há um princípio de alma a respirar
como fogo roubado a outro a fogo
que mais ninguém conhece – ergueu-se a chama
e ondula ainda em cada gesto meu
a decompor-se ao longo de mil gestos
das pessoas autómatas, varrendo
a atmosfera das ruas, o prazer
de repetir retratos entre as curvas
da pálida cidade boquiaberta
em fim de quarta-feira. De improviso
a memória atravessa uma abertura
pelo meio de portas mal fechadas,
caleidoscópio histérico de encontros
em bares e restaurantes sob as luzes
cada vez mais à deriva. O pensamento
dilui-se ao ritmo dos lugares-comuns
no quase inútil mapa dos sorrisos
agora sobrepostos – engrenagens
nocturnas, reticências prolongando
as falas sempre vãs dos vãos amigos,
poeira de mil sonhos dissipados,
melodia espectral, oásis mudo,
palácio em ruínas, coração.



fernando pinto do amaral
o lento apocalipse do sangue
poesia reunida 1990-2000
dom quixote
2000




17 agosto 2017

luís miguel nava / agora que de novo




O mar voa nas rochas, como
se a manhã se formasse onde se forma o cuspo eu aproximo-me
dele e arde a pele de que a memória
vem lentamente tomar conta.

Avanço com cuidado, agora que de novo
nas praias o mar solta os cães. O que chamávamos
verão são poços através
dos quais se some a pele pela memória dentro.



luís miguel nava
como alguém disse
contexto editora
1982






16 agosto 2017

manuel francisco t. / vibram as túlipas, os meninos




Vibram as túlipas nos canaviais
Que sabem as tul do que as faz vibrar?
Deus esquece o que dispôs no banco
De mármore do jardim do império

Escreveu a morte renasce muitas vezes
Nada quer dizer as túlipas o brasão
Do silêncio e as estátuas que comandam
A descida às neves, grutas e deuses

Para lá de Belém continuam a nascer
Os meninos que sabem das túlipas
Horóscopos da paixão, pentecoste

De pequenos melros. Deus os ajude
No seu  esquecimento a ao meu menino
O traga bem, o calção de veludo, etc.




manuel francisco t.
colóquio letras 113-114
fundação calouste gulbenkian
1990







15 agosto 2017

gil t. sousa / reviver



regressar
para que um tempo suspenso
possa tocar de novo as mãos
que tudo guardaram

na água parada
a educação das pedras erguidas
declamadas em margem

nas árvores repetidas
resgatar os olhos de então




gil t. sousa





14 agosto 2017

mário cesariny / rua 1.º de dezembro




À hora X, no Café Portugal
à mesa Z, é sempre a mesma cena:
uma toupeira erga a mãozinha e acena…
dois picapaus querelam, muito entusiasmados:
que a dita dura dura que não dura
a dita dita dura – dura desdita!
Um pássaro cantor diz que isto assim é pena
e um senhor avestruz engole ovos estrelados




mário cesariny
nobilíssima visão
assírio & alvim
1991



13 agosto 2017

luís vaz de camões / elegia




A D. António de Noronha, estando
                                         o autor em Ceuta

[II]
   Aquela que de amor descomedido
pelo fermoso moço se perdeu
que só por si de amores foi perdido,
despois que a deusa em pedra a converteu
de seu humano gesto verdadeiro,
a última vez só lhe concedeu;
assi meu mal do próprio ser primeiro
outra cousa nenhüa me consente
que este canto que escrevo derradeiro.
   E se algüa pouca vida, estando ausente,
me deixa Amor, é porque o pensamento
sinta a perda do bem de estar presente.
Senhor, se vos espanta o sentimento
que tenho em tanto mal, para escrevê-lo
furto este breve tempo a meu tormento.
   Porque quem tem poder para sofrê-lo,
sem se acabar a vida co cuidado,
também terá poder para dizê-lo.
   Nem eu escrevo mal tão costumado,
mas n'alma minha, triste e saudosa,
a saudade escreve, e eu traslado.
   Ando gastando a vida trabalhosa,
espalhando a continua saudade
ao longo de ua praia saudosa.
   Vejo do mar a instabilidade,
como com seu ruído impetuoso
retumba na maior concavidade.
   E com sua branca escuma, furioso,
na terra, a seu pesar, lhe está tomando
lugar onde se estenda, cavernoso.
   Ela, como mais fraca, lhe está dando
as côncavas entranhas, onde esteja
suas salgadas ondas espalhando.
   A todas estas cousas tenho enveja
tamanha, que não sei determinar-me,
por mais determinado que me veja.
   Se quero em tanto mal desesperar-me,
não posso, porque Amor e Saudade,
nem licença me dão para matar-me.
   Às vezes cuido em mim a novidade
e estranheza das cousas, co a mudança
se poderão mudar üa vontade.
   E com isto afiguro na lembrança
a nova terra, o novo trato humano,
a estrangeira gente e estranha usança.
   Subo-me ao monte que Hércules tebano
do altíssimo Calpe dividiu,
dando caminho ao mar Mediterrano.
   Dali estou tenteando aonde viu
o pomar das Hespéridas, matando
a serpe que a seu passo resistiu.
   Em outra parte estou afigurando
o poderoso Anteu que, derrubado,
mais força se lhe estava acrescentando;
mas do hercúleo braço sojugado,
no ar deixou a vida, não podendo
da madre terra já ser ajudado.
   Nem com isto, enfim, que estou dizendo,
nem com as armas tão continuadas,
de lembranças passadas me defendo.
   Todas as cousas vejo remudadas,
porque o tempo ligeiro não consente
que estejam de firmeza acompanhadas.
   Vi já que a Primavera, de contente,
de mil cores alegres revestia
o monte, o rio, o campo alegremente.
   Vi já das altas aves a harmonia,
que até aos montes duros convidava
a um modo suave de alegria.
   Vi já que tudo, enfim, me contentava,
e que, de muito cheio de firmeza,
um mal por mil prazeres não trocava.
   Tal me tem a mudança e estranheza
que, se vou pelos campos, a verdura,
parece que se seca, de tristeza.
   Mas isto é já costume da ventura;
que os olhos que vivem descontentes,
descontente o prazer se lhe afigura.
   Ó graves e insofríveis acidentes
de Fortuna e de Amor que penitência
tão grave dais aos peitos inocentes!
   Não basta exprimentar-me a paciência,
com temores e falsas esperanças,
sem que também me atente o mel de ausência?
   Trazeis um brando animo em mudanças,
para que nunca possa ser mudado
de lágrimas, suspiros e lembranças.
   E se estiver ao mal acostumado,
também no mal não consentis firmeza,
para que nunca viva descansado.
   Vivia eu sossegado na tristeza,
e ali não me faltava um brando engano,
que tirasse os desejos da fraqueza.
   E vendo-me enganado estar ufano,
deu à roda Fortuna, e deu comigo
onde de novo choro o novo dano.
   Já deve de bastar o que aqui digo
para dar a entender o mais que calo,
a quem já viu tão áspero perigo.
   E se nos bravos peitos faz abalo
um peito magoado e descontente,
que obriga a quem o ouve a consolá-lo;
não quero mais senso que largamente,
Senhor, me mandeis novas dessa terra:
ao menos poderei viver contente.
   Porque se o duro Fado me desterra,
tanto tempo do bem que o fraco esprito
desampare a prisão onde se encerra,
ao som das negras águas de Cocito,
ao pé dos carregados arvoredos
cantarei o que na alma tenho escrito.
   E, por entre esses hórridos penedos,
a quem negou Natura o claro dia,
entre tormentos ásperos e medos,
com a trémula voz, cansada e fria,
celebrarei o gesto claro e puro
que nunca perderei da fantasia.
   E o músico de Trácia, já seguro
de perder sua Eurídice, tangendo
me ajudará, ferindo o ar escuro.
   As namoradas sombras, revolvendo
memórias do passado, me ouvirão;
e com seu choro, o rio irá crescendo.
   Em Salmoneu as penas faltarão,
e das filhas de Belo, juntamente,
de lágrimas os vasos se encherão.
   Que se o amor não se perde em vida ausente,
menos se perderá por morte escura;
porque, enfim, a alma vive eternamente,
e amor é afeito d'alma, e sempre dura.


luís vaz de camões
elegias






12 agosto 2017

josé tolentino mendonça / concerto dos tindersticks



Impossível dizer até que ponto
a rapidez de tudo
atinge as paisagens na sua certeza
o significado dos instintos
desde muito cedo
os modos de travessia, os receios
imagens em que não pensamos

pela noite tua voz descreve
isso de nós que não tem defesa
um amor
largado às sombras, irreconhecível
até de perto

dizem que se tratou de
derivas, ingenuidades, ilusões
o teu amor é um nome qualquer
que parte


josé tolentino mendonça
baldios
assírio & alvim
1999





11 agosto 2017

jorge melícias / ela senta-se sobre a quilha dos teares



Ela senta-se sobre a quilha dos teares
obscurecendo o mundo.

Uma estaca levantada na cegueira.

É enorme a precisão dos dedos
sobre o fogo



jorge melícias
o dom circunscrito
quasi
2003




10 agosto 2017

paulo josé miranda / no centro do vulcão




As árvores  vinham ao limite da estrada
Beber a água que de nossas mãos escorria.

                                *

Caminhar até mim é ir até onde?
Encosto o ouvido ao teu seio
escuto o mar.



paulo josé miranda
a voz que nos trai
anos 90 e agora
uma antologia da nova poesia portuguesa
quasi
2001




09 agosto 2017

jorge reis-sá / a mesa



Ainda um pouco de pão recesso sobre a mesa da cozinha.
Quem o terá deixado entregue às aves? Como terá sobrevivido
tantos anos sem ter alimentado algum animal?

Um segredo a que nem a casa sabe responder. Silêncio.



jorge reis-sá
vou para casa
quasi
2008





08 agosto 2017

josé agostinho baptista / distância



A ausência é um arco de gelo suspenso
sobre as espáduas.
Os ossos cedem ao claro domínio dos
glaciares.
Desapareceram todos os perfumes,
todas as dálias.
Vivo como vivem os teus peixes cegos:
frio e nu ao fundo da noite,
caminhando  pelas bermas.


josé agostinho baptista
paixão e cinzas
biografia
assírio & alvim
2000






07 agosto 2017

allen ginsberg / o meu eu triste




Por vezes quando tenho os olhos vermelhos
subo ao cimo do Edifício RCA
    e contemplo o meu mundo, Manhattan –
        os meus edifícios, as ruas das minhas proezas,
            apartamentos, camas, andares de águas correntes
– a  5.ª avenida em baixo que também recordo
        os seus carros como formigas, pequenos táxis amarelos, homens
            que caminham, do tamanho de bolas de lã –
Panorama das pontes, nascer do sol sobre a máquina de Brooklyn,
        o pôr do sol sobre New Jersey onde nasci
            e Paterson onde brinquei com formigas –
os meus amores tardios na Rua 15,
        os meus maiores amores no Lower East Side,
            as minhas antigas paixões fabulosas no distante
                                                                                       Bronx –
caminhos cruzando-se nestas ruas escondidas,
        a minha história resumida, as minhas ausências
            e êxtases em Harlem –
– o sol a brilhar em tudo o que possuo
num relance até ao horizonte
        na minha última eternidade –
                                                              a matéria é água.
   
Triste,
        apanho o elevador e desço,
            ruminando,
e caminho nos passeios questionando as vidraças humanas, caras,
        perguntando-me quem ama,
e paro, atónito
        em frente da montra de um stand de automóveis
perdido em pensamentos tranquilos,
        o tráfico passando pelo edifício da 5.ª Avenida, atrás de mim
            esperando um momento quando…

São horas de ir para casa e fazer o jantar e ouvir
        na rádio as românticas notícias da guerra
                                                               … todo o movimento se detém
e eu caminho na tristeza intemporal da existência,
        com ternura a escorrer dos prédios,
            com as pontas dos dedos tocando a cara da realidade,
        a minha própria cara riscada por lágrimas no vidro
            de uma janela – no crepúsculo –
                                 em que não desejo –
bombons – ou possuir os vestidos ou os quebra-luzes
                japoneses de compreensão –
Confundido pelo espectáculo à minha volta,
        Um homem pela rua acima lutando
            com pacotes, jornais,
                gravatas, fatos elegantes
            em direcção ao seu desejo
        Homens, mulheres, jorrando pelos passeios
            semáforos marcando o tempo de relógios apressados e
        o movimento na berma –
   
E todas estas ruas que se cruzam,
        buzinando, pausadamente,
            em avenidas
        onde grandes edifícios se erguem ou enquistadas em vielas
            pelo tráfico vacilante
                carros que guincham e máquinas
        tão doloroso para este
            campo, este cemitério
                esta quietude
                    em leito de morte ou montanha
        que visto uma vez
            não se recupera ou deseja
                na memória futura
em que todo o Manhattan que vi irá desaparecer.




allen ginsberg 
trad. josé alberto oliveira
rosa do mundo
2001 poemas para o futuro
assírio & alvim
2001