24 março 2018

eugénio de andrade / foz do douro




É outra vez abril
– e tão perfeito é o azul
que o estendo
ao longo do meu corpo.
Não sei de ninguém tão bem vestido!




eugénio de andrade
escrita da terra
poesia
fundação eugénio de andrade
2000














2 comentários:

SILO LÍRICO - Poemas, Contos, Crônicas e Outras disse...

Belíssimo poema! Li outros também. A poesia estaria morrendo? Tantos poemas belos neste espaço e poucos comentários há. Ou leem e não comentam. Parabéns pelas postagem! Tudo de bom. Laerte.

Porventura escrevo disse...

A blogosfera hoje já não é para comentar. É um refúgio para criarmos um mundo que nos afaste de tudo o que é mau cá fora. As pessoas só querem ser comentadas na personalidade que não têm. E não aplaudir o qje e belo