12 junho 2018

albert camus / não nos separarmos do mundo.



Maio

Não nos separarmos do mundo. Não se perde a vida quando a colocamos à luz o dia. Todo o meu esforço, em todas as posições e desgraça, as desilusões, é para recuperar os contactos. E mesmo nesta tristeza que há em mim, que desejo de amar e que inebriamento apenas perante a visão de uma colina na aragem do fim da tarde.

Contactos com o verdadeiro, a natureza em primeiro lugar, e depois a arte daqueles que compreenderam, a minha arte se a consigo alcançar. De contrário, a luz e a água e a embriaguez estão na minha frente, e os lábios húmidos do desejo.

Desespero sorridente. Sem saída, mas que exerce sem cessar um domínio que se sabe inútil. O essencial: não nos perdermos, e não perder aquilo que, de nós, dorme no mundo.


albert camus
primeiros cadernos
caderno nr. 1 (maio de 1935-setembro de 1937)
trad. antónio quadros (?)
livros do brasil
1973






Sem comentários: