11 janeiro 2015

ser ou não ser charlie



Caro Gil,

depois dos acontecimentos de Paris destes dias passados, te escrevo aqui publicamente (vais tu escolher se publicamente ou nao) porque não queria ficar calado, mas lì muitas coisas que vieram só “da barriga”, e muito pouco “da cabeça” das pessoas. Eu não sou Charlie, no sentido que nunca gostei das vinhetas do jornal que são, para mim, parte de uma ideia do mundo (muito pouco)anarco-libertaria que, enfim, acabarà sempre na defesa da propria tradição contra a verdadeira aceitação das diferenças. E ao mesmo tempo eu sou Charlie, porque o horror do homicidio politico e terrorista é sempre uma coisa intoleravel, e a liberdade de expressão deve sempre ser garantida. Mas achei ao mesmo tempo muito triste ver uma grande parte do mundo arabo que, de qualquer forma, està a “pedir desculpa” por aquelo que aconteceu. O mundo arabo não tem culpa nenhuma, e para mim este é o sinal que ainda a Europa (e o mundo inteiro) é muito euro-centrista e pensa de ter uma autoridade moral que, para mim, não tem, ou tem somente na medida em que consegue aceitar as diferenças mais que outros lugares no mundo. Mas, eu penso, ainda estamos bem longe deste resultado.

Não quero escrever demasiado; na verdade, a minha intenção é de mandar-te esta poesia do Louis Brauquier, poeta de um outro grande porto desta velha Europa, Marselha. Ele canta duma cidade de emigrantes, de pobres e trabalhadores, de italianos, espanhois, portugueses e muitos arabes que chegaram ali e que construiram a alma da cidade: uma cidade que é o coração mediterraneo da França. Nas palavras dele vive um povo multicultural e de necessidade antiracista que é, enfim, a unica Europa que amo. Espero que vais gostar.

Contra as armas, as poesias! 

Grande abraço.


Toutes les puissances du globe


Toutes les puissances du globe
Sont là, dans la ville maritime
Où débarquent, brulent et passent
Les races multipliée.
Dans la cohue des idioms,
Au hazard des chants et des rixes,
Et surgissant des faits divers,
J'exalte toutes les puissances.
Puissance du bar où s'accoudent
Les rancoeurs et les desires,
Prés des scintillants alcools,
Versés dans le verre opaque!
Bar que je sais, au mole B
Où boivent les dockers et les maitres d'équipage.
Puissance de la rue trouble au crepuscule,
Quand les lumierès des magasins
Assourdissants
Affolent
Le navigateur débarqué!
Puissance des filles prospères,
Qui appellant sur le trottoir nocturne.,
Quand les sirens des Ports
Ont fait descendre le soleil!
Oh! Dans le soir, aux yeux pervers,
Où les lampes à pétrole s'allument
Aux bouges de chair des vieux quartiers,
La morsure aux entrailles que laisse
Cet appel!
Puissance de l'alcool, de la rue et des bouges
Puissance de carte et de l'argent!
Le coup de revolver qui claque
Aur le Port,
Dans le silente
Des étoiles
Et se prolonge
Par le ruelles
Dans un bruit de fuit éperdue,
Poursuivi par l'aboiement rauque
De side-cars de la police
Et puissance enfin sur mon ame,
Des grand mats et de la mer,
Que j'ai tant de fois chantés!


*

Caro Stefano,

A Poesia servirá sempre melhor a Humanidade do que qualquer arma ou religião.

Deixa apenas que te diga que sim, que acho que o Mundo Árabe tem que pedir desculpas, tanto quanto o Ocidente e a própria Europa.

Franceses e Árabes devem-se muitas desculpas mútuas e pelas mesmas razões: racismo e intolerância.

Experimentar os extremos é muitas vezes a única maneira de se chegar ao equilíbrio. Que  os acontecimentos de Paris sirvam ao menos para isso.

Que Paris seja hoje a grande sala do mundo, onde a Humanidade se olhe frente a frente e dê significado ao velho chavão: somos todos diferentes, somos todos iguais.

Um grande abraço









2 comentários:

platero disse...

SUMIDADES NA MANIF CONTRA O MEDO

olham para cima

não para cumprimentar
quem os espreita das janelas

antes com receio
do que possa
"chover" delas

Poetas e Versos disse...

O melhor texto sobre os atentados que li em dias. Parabéns.