04 maio 2012

rené char / juventude


  


Longe da emboscada dos imprevistos
e da esmola dos calvários,
gerais-vos a vós próprias,
reféns dos pássaros,
fontes.
A queda do homem feita da agonia das suas cinzas,
do homem
que se debate com a sua vingativa providência,
não basta para vos desencantar.

Louvor, aceitámo-nos mutuamente.

"Se eu tivesse sido muda como a marcha da pedra,
fiel ao Sol,
que ignora a sua ferida cerzida de hera,
se eu tivesse sido criança como a árvore branca
que acolhe os pavores das abelhas,
se as colinas tivessem vivido o Verão,
se o relâmpago me tivesse aberto as suas grades,
se as tuas noites me tivessem perdoado..."

Olhar,
vergel de estrelas,
as giestas,
a solidão,
distinguem-se de vós!
O cântico pões cobro ao exílio.
A brisa dos cordeiros traz a vida nova.





rené char
furor e mistério
(grafia adaptada)
tradução margarida vale de gato
relógio de água
2000




Sem comentários: