26 janeiro 2018

fernando pinto do amaral / quinze rosas mais tarde



                            Sete rosas mais tarde rumoreja a fonte.

                                                                             Paul Celan


Murcharam por engano as rosas onde agora
vive outra vez o teu amor por mim:
respiro o que restou do teu aroma
ainda tão recente e, no entanto,
a dissipar-se, como o do teu corpo,
colado à minha pele, contaminando-a
com um rastro de alegria em cada poro
aberto a uma certeza que não é,
nunca foi deste mundo, que se eleva
no gelo de fevereiro, pelas frinchas
de portas e janelas, toda a noite.

Queria saber amar-te como aos vinte anos
se ama a escuridão iluminada
dos corpos e das almas, essa névoa
soberana e feliz, mas só me ocorre
pedir solenemente a um deus infantil
que apague num só gesto as nossas vidas
ao longo desses tempos irreais
em que as lágrimas tinham outra fé
na dor irracional que abria ao meio
os nossos corações, ameaçando
deixá-los para sempre à mercê de si próprios.



fernando pinto do amaral
às cegas
relógio de água
1997





1 comentário:

Gil António disse...

Definição numa palavra: BRILHANTE
.
* Adejam pétalas ... como lábios se beijando *
.
Deixando votos de um dia feliz
Boa tarde