27 outubro 2015

edgar lee masters / theodore, o poeta



Em rapaz, Theodore, passavas horas sentado
na margem do turvo Rio Spoon
olhando fixamente para a furna que escondia o caranguejo,
à espera que ele saísse, mostrando primeiro
as antenas ondulantes como palhas de feno
e depois o seu corpo, cor de pedra-pomes,
adornado com dois olhos de azeviche.
E perguntavas a ti próprio, enleado em pensamentos,
o que saberia ele, que coisas desejava, por que viveria.
Mais tarde o teu olhar voltou-se para os homens e as mulheres
escondidos em furnas de acaso no meio de cidades.
Esperavas que mostrassem suas almas
para que pudesses ver
como viviam ou para quê,
e por que rastejavam com tal afã
ao longo do caminho arenoso onde a água escasseia
à medida que declina o Verão.



edgar lee masters
spoon river
tradução josé miguel silva
relógio d´água
2003




Sem comentários: