17 dezembro 2012

eugenio montale / traz-me um girassol




Traz-me um girassol para que o transplante
no meu árido terreno
e mostre todo o dia
ao espelho azul do céu
a ansiedade do teu rosto
amarelento

Tendem à claridade as coisas obscuras
esgotam-se os corpos num fluir
de tintas ou de músicas. Desaparecer
é então a dita das ditas

Traz-me tu a planta que conduz
aonde crescem loiras transparências
e se evapora a vida como essência
Traz-me o girassol de enlouquecidas luzes.




eugenio montale
a religião do girassol: uma antologia
tradução de jorge sousa braga
assírio & alvim
2000



1 comentário:

Leonardo B. disse...


[como um pequeno astro

enxerto em jardim fingido.]

abraço,

Lb