09 julho 2012

abel feu / um lugar na minha alma


  


Agora que não nos vemos
e as nossas vidas correm pelos dias
cada vez mais longínquas,
sinto, às vezes, uma vontade enorme
de te ver uma tarde, tomar café
contigo, saber como vais…

Agora que não nos vemos
e nos perdemos aos dois,
não penses que esqueci as tuas coisas.
Guardo boas lembranças, e poemas
que te escrevi (lembras-te?); guardo
cartas e fotografias…
                                       E um lugar
na minha alma, onde, se quiseres,
sempre, sempre podes estar.






abel feu
poesia espanhola, anos 90
trad. de joaquim manuel magalhães
relógio d´água
2000