30 janeiro 2010

narcís comadira / falcoaria









Agora sou um falcão e sobre a mão
do meu dono me firmo. O ar puro da manhã
respiro e o cheiro do veludo e das martas, o suor dos cavalos,
o feno pisado, os vapores
que sobem da terra.
Ervas e florinhas, tapete axadrezado que verei
das alturas quando em círculos, magnificente
observe os meus domínios, a pradaria, os arbustos,
o regato, a fugidia lebre.
E os cavalos, os cães, o dono
com os seus cavaleiros e o falcoeiro-mor,
pagens e servidores, todos iguais de tão pequenos,
espalhados pelo prado...
Agora o dono disse-me: quero uma grande lebre,
cheirosa de lentisco (o meu dono é poeta),
enquanto me acariciava a plumagem com o dedo.
Sinto-me imperador, na mão do meu dono, firme,
com o meu capuz de couro todo enfeitado.
Há movimento, alvoroço, relinchos, escarvar
e os moços dos canis que libertam e incitam os cães.
Aproxima-se o momento, o dono afaga-me,
quer uma grande lebre, cheirosa de lentisco
(eu também sou poeta). O coração pulsa com violência
e nestes momentos, agora, eu sou o dono e senhor
do mundo e da gente. Todos dentro do meu círculo,
de mim pendentes, esperando como me perco e regresso,
como o meu voo se vai cingindo, calculando
ao ver a lebre temerosa.
Os olhos são como setas, as garras agudizam-se
e uma dulcíssima vertigem me possui.
São um só céu e terra, árvores e nuvens, a erva e a pele
arisca da lebre. Nada vejo. Uma força
me arrasta para o fundo, para o poço do nada,
desço como um relâmpago. Por qual
vontade me pauto?
Qual a força obscura que me arrasta, que fios
movem as minhas asas, que fogo
poderá aquecer tanto
o sangue do meu corpo?

Agora tenho já
nas garras a lebre morta,
cheirosa de terra e de lentisco.
Tudo terminou, já se afundou o império.
O falcoeiro-mor
deixará que eu destroce um pedaço do cálido fígado...
Depois o dono rirá com os seus amigos
e eu me sentirei ridículo
com o meu capuz cheio de fitas.

Dura sempre tão pouco
aquilo que nos permite o esquecimento!







narcís comadira
quinze poetas catalães
trad. egito gonçalves
ed. limiar
1994











28 janeiro 2010

gil t. sousa / ternamente poderosos






13/


nunca sobrava uma sílaba. ternamente poderosos, revíamos o mundo
do mais alto lugar.

nas manhãs frias de sábado,
a noite ainda na pele.









gil t. sousa
falso lugar
2004







26 janeiro 2010

ernesto sampaio / geografia








A oriente
o horizonte escarlate
da dor humana
a ocidente
o crepúsculo
no fim do percurso
a norte
o Senhor da Morte
a sul
o vento do deserto
em cima
o olho do mundo
em baixo
o sonho indestrutível








ernesto sampaio
feriados nacionais
fenda
1999









23 janeiro 2010

paulo jorge fidalgo / gostos








Gosto da chuva em dias cinzentos
das ruas transpiradas e das mulheres
abrigadas sob as pálpebras da noite.
Gosto de uvas e de tremoços
e dos trémulos moços que namoram.
miúdas constipadas - choro com eles
suas mágoas.
Gosto das luzes e das fachadas iluminadas
dos palácios com árvores e dos pássaros
nas árvores gosto da fidelidade dos cães
e do cheiro dos animais em casa
gosto do Inverno se estou triste e de ir
anoitecer ao cinema, bebo vinho e rio
sozinho no meu quarto enquanto espero
que tu venhas tardia e fria ao meu colo,
chamo-te nomes que amei e tu sabes
que eu amei e não te importas que te ame
assim tipo filme de renúncias e façanhas,
gosto de homens taciturnos e amigos
dos jornais de ontem e de um quadro
de Giotto numa história sem sentido,
leio prosa dispersa a preço razoável
e sou maldoso se vejo coisa doutro
que não preste, gosto de viagens curtas
e de mijar ao vento contra as giestas,
gosto de falar do passado e ser diferente
por dentro de mim que se não vê,
modesto não digo porque minto mas gosto
do azul limpo ou quase verde, uso tinta
durmo mal e pago imposto.
E prefiro um gosto ao resto.








paulo jorge fidalgo
hablar/falar de poesia nr. 4
2001








20 janeiro 2010

josé tolentino mendonça / side of the road







Ateei o fogo
quebrei as portas de bronze
desfiz sinais nas pedras lisas
enlouqueci os adivinhos

minha língua tornou-se tão
estranha
que não se pode entender

as multidões vitoriosas
levantam em teu nome grinaldas
tamboris e danças
despojos de várias
cores

tomo o caminho por onde vieste
tropeçando como os que não
têm olhos






josé tolentino mendonça
a estrada branca
assírio & alvim
2005







18 janeiro 2010

egito gonçalves / imagens de um inverno indocumentado












A vida tem lágrimas pesadas como árvores…
A sombra avança no atalho como um formigueiro.
Tuas pernas estão vermelhas de frio na paragem do eléctrico.

Felizmente existe a noite e a tua chegada.
O anjo estático não é mais que um boneco de pedra.
O calor da tua boca reinventa o estio.







egito gonçalves
o amor desagua em delta
editorial inova
1971


16 janeiro 2010

antónio franco alexandre / corto viaggio sentimentale, capriccio italiano







6



quero dizer-te: não morras.
Nem me digas quem és, quem foste, como sabes
a língua que se fala sobre a terra.
Ao lume lanço
toda a vontade de viver, ser vivo,
a cautela do ar, ardendo em torno.
Passarei, terás passado em mim, só quero
dizer-te: não morras nunca, agora, nunca mais.






antónio franco alexandre
quatro caprichos
assírio & alvim
1999








14 janeiro 2010

daniel faria / ando um pouco acima do chão









Ando um pouco acima do chão
Nesse lugar onde costumam ser atingidos
Os pássaros
Um pouco acima dos pássaros
No lugar onde costumam inclinar-se
Para o voo

Tenho medo do peso morto
Porque é um ninho desfeito

Estou ligeiramente acima do que morre
Nessa encosta onde a palavra é como pão
Um pouco na palma da mão que divide
E não separo como o silêncio em meio do que escrevo

Ando ligeiro acima do que digo
E verto o sangue para dentro das palavras
Ando um pouco acima da transfusão do poema

Ando humildemente nos arredores do verbo
Passageiro num degrau invisível sobre a terra
Nesse lugar das árvores com fruto e das árvores
No meio dos incêndios
Estou um pouco no interior do que arde
Apagando-me devagar e tendo sede
Porque ando acima da força a saciar quem vive
E esmago o coração para o que desce sobre mim
E bebe









daniel faria
poesia
explicação das árvores e outros animais

quasi
2003





12 janeiro 2010

antónio gancho / música







A música vinha duma mansidão de consciência
era como que uma cadeira sentada sem
um não falar de coisa alguma com a palavra por baixo
nada faria prever que o vento fosse de azul para cima
e que a pose uma nostalgia de movimento deambulante
era-se como se tudo por cima duma vontade de fazer uma asa
nós não movimentamos o espaço mas a vida erege a cifra
constrói por dentro um vocábulo sem se saber
como o que será
era um sinal que vinha duma atmosfera simplificante
silêncio como um pássaro caído a falar do comprimento.







antónio gancho
o ar da manhã
assírio & alvim
1995





10 janeiro 2010

laurie anderson / lírio branco







Em que filme do Fassbinder é que é? Um homem sem um braço
Entra numa florista e diz:
Qual é a flor que exprime
A passagem dos dias
Os dias que se sucedem sem fim
Puxando-nos
Para o futuro?
A infinita
Passagem dos dias
Puxando-nos infinitamente
Para o futuro.
E a florista diz:
O lírio branco.








laurie anderson
anéis de fumo
poemas
tradução de joão lisboa
assírio & alvim
1997








06 janeiro 2010

maria do rosário pedreira / não voltei a esse corpo








Não voltei a esse corpo; e não sei
se aqueles que o vestiam antes e depois
de mim souberam nele o verdadeiro calor
e lhe conheceram os perigos, os labirintos,
as pequenas feridas escondidas. Não voltarei
provavelmente a sentir a respiração
palpitante desse corpo, desse lugar onde as ondas
rebentavam sempre crespas junto do peito, do meu peito
também, às vezes.


Uma noite outro corpo virá lembrar essa maresia,
o cheiro do alecrim bruscamente arrancado à falésia.
E eu ficarei de vigília para ter a certeza de quem me
recolheu,
porque os cheiros tornam os lugares parecidos, confundíveis.

Quando a manhã me deixar de novo sozinha no meu quarto
trocarei os lençóis da cama por outros, mais limpos.






maria do rosário pedreira
a casa e o cheiro dos livros
gótica
2002



04 janeiro 2010

herberto helder / última ciência








Ninguém sabe se o vento arrasta a lua ou se a lua
arranca um vento às escuras.
As salas contemplam a noite com uma atenção extasiada.
Fazemos álgebra, música, astronomia,
um mapa
intuitivo do mundo. O sobressalto,
a agonia, às vezes um monstruoso júbilo,
desencadeiam
abruptamente o ritmo.
- Um dedo toca nas têmporas, mergulha tão fundo
que todo o sangue do corpo vem à boca
numa palavra.
E o vento dessa palavra é uma expansão da terra.





herberto helder
ofício cantante
poesia completa
assírio & alvim
2009








03 janeiro 2010

gil t. sousa / será esse o teu inverno






12/


nada te levará tão longe, como os dias cegos de outrora. janelas que se perdiam na bruma, olhos que pousavam no impossível do tempo, movimento perpétuo dos lábios com marés de palavras esculpidas no coração.

foi tudo nesse horizonte afogado. a mesa vazia, o piano calado, o pássaro imóvel. virás por muitos anos, como a espuma dos sonhos perdidos. e a raiva será cantada no paredão da memória até ficarem macias as pedras do caminho.

e será esse o teu Inverno.








gil t. sousa
falso lugar
2004






02 janeiro 2010

sophia de mello breyner andresen / um pálido inverno







Um pálido inverno escorria nos quartos
Brancos de silêncio como a névoa
Um frio azul brilhava no vidro das janelas
As coisas povoavam os meus dias
Secretas graves nomeadas






sophia de mello bryner andresen
dual
caminho
2004