18 junho 2014

luis muñoz / traduzido na noite


              (Giuseppe Ungaretti)


Doce decai o sol.
Do dia se separa
um céu demasiado luminoso
cheio de solidão.

Como se a muita distância
umas vozes se movem.
Ofendida se adular
tem esta hora uma arte estranha.

Não é a aparição primeira
do outono já sozinho?
E sem outro mistério
aqui corre a dourar-se
e o tempo belo rouba
a mercê da loucura.

Contudo gritaria, contudo:
tu, veloz juventude dos sentidos,
que me tens às escuras de mim mesmo,
e à imortalidade consentes as imagens,

não me deixes, espera, sofrimento.



luís muñoz
trípticos espanhóis vol. III
trad. joaquim manuel magalhães
relógio d´água
2004




1 comentário:

F. Da Cruz Bombarda disse...

Para quem gosta de poesia:
carrovazio.blogspot.pt