16 março 2007

silêncios





fala-me da ausência do mundo, do enorme silêncio
que me separa do rumor do tempo.

sim, digo-lhe,
semeei dunas brancas ao longo do que existi,
realizei um por um os horizontes
e caminhei.


nos passos,
levei a sabedoria de anoitecer e de madrugar.

exerci-a
na altitude dos que me perguntaram o nome.
naqueles que me questionaram o olhar
ou a palavra
nos que, suspensos da fronteira de sombras,
esperaram para me ouvir
ou para me falar.

e usei a voz como um pássaro usa as sementes.

digo-lhe:
não, não apaguei o mundo da minha vontade
apenas o areei de solidão
e fiz dele um deserto
onde alguém se perdesse.







gil t. sousa
poemas
2001




2 comentários:

Anónimo disse...

Tão belo que não tenho palavras para exprimir melhor a beleza que vejo neste poema.

sr Gema disse...

adorei este poema e este bolg.
parabens pela iniciativa.
voltarei mais vezes.