31 março 2007

vertigem





a absurda vertigem
das luas mais tardias

do seu duro espelhar
no lado morto dos rios

do demorado subir
da loucura

do desaguar das veias
no coração deserto

dos vivos
dos que caminham

sobre o sangue
e gritam

rasgam a seda do céu
com a faca do desejo

até choverem os anjos
no escuro charco do medo








gil t. sousa
poemas
2001








1 comentário:

magnohlia disse...

Muito bonito