01 maio 2019

josé saramago / fraternidade




A qual de nós engano quando irmão
Nestes versos te chamo?
Não são irmãs as folhas que do chão
Olham outras no ramo.
Melhor é aceitar a solidão,
Viver iradamente como o cão
Que remorde o açamo.


josé saramago
os poemas possíveis
porto editora
2018