09 outubro 2014

luís adriano carlos / távola



Teu carro parado
nada tem a ver com as pirâmides
nem com o percurso das aves. Não
conhece o monumento
dos séculos, a ilustração
das capas dos filósofos ou
dos cavaleiros predilectos
de um rei transparente. A sombra
da tua voz não fala dos poetas
crucificados nos próprios versos
nem da arquitectura
de uma humanidade exilada.
A mala do teu carro
leva palavras vazias. Não tem
lugar para os pássaros.


luís adriano carlos
poesia digital
7 poetas dos anos 80
campo das letras
2002





1 comentário:

Ana P disse...

Muito bonito este poema