27 setembro 2016

fiama hasse pais brandão / lápides


I
O mar bate como se o sopro
do separar as águas de novo
rasgasse a terra alcantilada.
Não o vejo, mas ao longe
oiço o êxtase, o rumor
das ondas infinitamente. Nós
calamo-nos, ouvindo a voz
interior apenas, e pensamos
nos livros que consubstanciam
a separação entre terra e água.



fiama hasse pais brandão
cenas vivas
relógio d'água
2000



26 setembro 2016

carlos de oliveira / o círculo



Caminho em volta desta duna de cal, ou dum sonho mais parecido com ela do que a areia, só para saber se a áspera exortação da terra, o seu revérbero imóvel na brancura, pode reacender-me os olhos quase mortos.

O que eu tenho andado sobre este círculo incessante, e ao centro o pólo magnético ainda por achar, a estrela provavelmente extinta há muito, possivelmente imaginada, conduz-me sem descanso, prende-me como um íman ao seu rigor já cego.



carlos de oliveira
terra da harmonia
trabalho poético
livraria sá da costa editora
1998




25 setembro 2016

bernardo soares / as coisas modernas são...



As coisas modernas são

(1) A evolução dos espelhos
(2) Os guarda-fatos

Passámos a ser criaturas vestidas, de corpo e alma. E, como a alma corresponde sempre ao corpo, um traje espiritual estabeleceu-se. Passámos a ter a alma essencialmente vestida, assim como passámos — homens, corpos — à categoria de animais vestidos.

Não é só o facto de que o nosso traje se torna uma parte de nós. É também a complicação desse traje e a sua curiosa qualidade de não ter quase nenhuma relação com os elementos da elegância natural do corpo nem com as dos seus movimentos.

Se me pedissem que explicasse o que é este meu estado de alma, através de uma razão sensível, eu responderia mudamente apontando para um espelho, para um cabide e para uma caneta com tinta.
s.d.


fernando pessoa
livro do desassossego por bernardo soares. vol.II
ática
1982



24 setembro 2016

tonino guerra / o banho dos pobres



Os pobres da minha terra
tomam banho no rio
e estão de molho na água
um dia inteiro.
Ali há muito ar muito sol muitos borrifos.
Voltam quando é noite
Encontram outra vez as velhas casas
com as cabeças dos gatos aos janelos
e toda a água nos cântaros represa.


tonino guerra
tradução de alexandre o’ neill
a rosa do mundo 2001 poemas para o futuro
assírio & alvim
2001



23 setembro 2016

julio cortázar / plano para poema



Seja em Roma a de Faustina, que o vento aguce as penas de chumbo do escriba sentado, ou em trepadeiras centenárias um dia apareça escrita esta frase convincente: Não há trepadeiras centenárias, a botânica é uma ciência, bolas para os inventores de imagens pedantes. E Marat na banheira.

Também vejo numa bandeja de prata uma perseguição a um grilo, a senhora Délia que suavemente aproxima a mão semelhante a um substantivo (o Faraó que os amaldiçoava da margem enquanto passavam a vau) quando vai apanhá-lo o grilo já se pirou para o sol ou salta para o delicado mecanismo que da flor do trigo extrai a mão seca da torrada. Senhora Délia, deixe esse grilo andar por pratos rasos. Um dia cantará com tal terrível vingança que os relógios de pêndulo se enforcarão nos seus ataúdes parados, ou a criada de quarto dará à luz um monograma vivo que correrá pela casa toda repetindo as suas iniciais como um tocador de tambor. Senhora Délia, as visitas impacientam-se porque está frio. E Marat na banheira.

Que seja por fim Buenos Aires num dia liberto e tremente, com roupas ao sol e todas as telefonias do bairro vomitando ao mesmo tempo a cotização do mercado livre de girassóis. Por um girassol sobrenatural alguém em Liniers pagou oitenta e oito pesos e o girassol teve um comportamento muito mau para o repórter Esso, um bocado por cansaço aquando da contagem das suas sementes, e também porque o seu destino ulterior não figurava no boletim de venda. Ao entardecer haverá uma concentração das forças vivas na Plaza de Mayo. As forças irão por distintas ruas até equilibrar-se na pirâmide, e então ver-se-á que vivem graças a um sistema de reflexos instalado pela municipalidade. Ninguém tem dúvidas de que o acto se cumpriu com o máximo brilhantismo, o que provocou como era de esperar extraordinária expectativa. Venderam-se os camarotes, irá o senhor cardeal, os carneiros, os presos políticos, os ferroviários, os relojoeiros, os donativos, as senhoras anafadas. E Marat na banheira.


júlio cortázar
histórias de cronópios e de famas
ocupações raras
tradução de alfacinha da silva
editorial estampa
1973



22 setembro 2016

arsenii tarkovskii / o espelho






I

Todo o instante que passávamos juntos
era uma celebração, como uma epifania,
no mundo inteiro, nós dois sozinhos.
Eras mais audaciosa,
mais leve que a asa de um pássaro,
estonteante como uma vertigem,
corrias escada abaixo
dois degraus de cada vez, e conduzias-me
por entre lilases húmidos,
até ao teu domínio,
no outro lado, para além do espelho.

Quando chegava a noite
eu conseguia a graça,
os portões o altar escancaravam-se,
e a nossa nudez brilhava na escuridão
que caía vagarosa.

E ao despertar
eu dizia “abençoada sejas!”
e sabia que a minha bênção
era impertinente.
Dormias,
os lilases estendiam-se da mesa
para tocar tuas pálpebras
com um universo azul,
e tu recebias o toque
sobre as pálpebras,
elas permaneciam imóveis,
e a tua mão ainda estava quente.

Havia rios vibrantes dentro do cristal,
montanhas assomavam por entre a neblina,
mares espumavam,
e tu seguravas
uma esfera de cristal nas mãos,
sentada num trono ainda adormecida
e – meus Deus do Céu!  – tu  pertencias-me.
Acordavas e transfiguravas
as palavras que as pessoas pronunciam todos os dias,
e a fala enchia-se até transbordar
de poder ressonante,
e a palavra “tu”
descobria o seu novo significado: “Rei”.

Objectos comuns
transfiguravam-se imediatamente,
tudo – o jarro, a bacia – quando,
entre nós como uma sentinela,
era colocada a água, laminar e firme.

Éramos conduzidos, sem saber para onde;
como miragens, diante de nós recuavam
cidades construídas por milagre,
havia hortelã silvestre sob os nossos pés,
pássaros faziam a mesma rota que nós
e no rio peixes nadavam correnteza acima
e o céu desenrolava-se
diante dos nossos olhos.
Enquanto isso o destino
seguia os nossos passos
como um louco de navalha na mão.



arsenii tarkovskii
o espelho
andrei tarkovsky
1975






21 setembro 2016

robert hayden / aqueles domingos de inverno



O meu pai levantava-se também cedo aos domingos
e vestia a roupa sob o frio negro-azulado,
depois com mãos gretadas, doridas
do trabalho, às intempéries, nos dias de semana, acendia
belos lumes de carvão. Nunca ninguém lhe agradeceu.

Eu acordava e ouvia o frio a estilhaçar-se, a quebrar.
Quando as salas estavam aquecidas, ele chamava,
e eu levantava-me e vestia-me, sem pressas,
receoso das velhas iras daquelas casa.

Falava com ele de uma forma displicente,
a ele que tinha escorraçado o frio
e engraxado também os meus sapatos melhores.
Que sabia eu, que sabia eu
dos ritos austeros e solitários do amor?


robert hayden
antologia de poesia anglo-americana
tradução de antónio simões
campo das letras
2002



20 setembro 2016

miguel torga / talvez eu me engane


Coimbra, 12 de Julho de 1957 – Talvez eu me engane a meu respeito e a respeito dos mais. Mas em matéria de revelação da intimidade de cada um, ainda vou pelo diálogo. As correspondências, pelo simples facto de uma certa opção formal a que a escrita obriga sempre, são fintas petrificadas. Os diários e as confissões, pouco mais ou menos o mesmo. Ora, numa boa conversa a dois, o prestigitador tem ao pé uma atenção a observá-lo. E como a gente não fala só com palavras – porque, desde os gestos à cor da pele, tudo em nós é expressão –,  nessa altura, sim, o sujeito diz. Diz o que quer, e o que não quer.



miguel torga
diário VIII
1959




19 setembro 2016

valter hugo mãe / fosse o corpo só meu


6
fosse o corpo só meu e uma pedra
o atingisse e abatesse.
se a chuva viesse agora pedir para nascer nos
meus olhos e as imagens e fizessem nuvens
do que desejo, descobriria uma
alma e procuraria incansável
a identidade dela.
quando morrer, pulsando na forte corrente
do vento que me vier esconder, descobrirei
uma alma e procurarei incansável
a carne dela


valter hugo mãe
estou escondido na cor amarga do fim da tarde
campo das letras
2000





18 setembro 2016

alberto caeiro / agora que sinto amor



Agora que sinto amor
Tenho interesse no que cheira.
Nunca antes me interessou que uma flor tivesse cheiro.
Agora sinto o perfume das flores como se visse uma coisa nova.
Sei bem que elas cheiravam, como sei que existia.
São coisas que se sabem por fora.
Mas agora sei com a respiração da parte de trás da cabeça.
Hoje as flores sabem-me bem num paladar que se cheira.
Hoje às vezes acordo e cheiro antes de ver.



alberto caeiro
o pastor amoroso




17 setembro 2016

rui lage / 31 de janeiro



A rua é comoção antecipada,
Noutro lugar é a mesma ternura:
Imolar o gesto à mulher amada
Ser-se a madeixa dócil e escura.

Quem as navega e acende? Quem as colhe
Já tão frias nas escadas de metal?
Quem dará graças depois ao que nos tolhe
Após as luzes e os enfeites de Natal?

De qualquer fogueira subir em centelhas,
Em qualquer lume que esfria ser acha
E cheirar teu rosto a maçãs vermelhas.

Peneirar do que declinas o não dito
Ou escrevê-lo até (mas num céu nítido
Que nuvens eu não sigo assim aflito)…


rui lage
antigo e primeiro
quasi
2002






16 setembro 2016

josé manuel teixeira / adeus



5
Entre vagas e vagas alternadas
partimos sempre da nossa vida inteira
como de uma ilha tão pouco visitada
À deriva das horas submersas
a neve sobre a neve, o rosto da amada
vida que corria com o rio
este último canto sobre as águas


josé manuel teixeira
as súbitas permanências
quasi
2001



15 setembro 2016

herberto helder / em quartos abalados…



Em quartos abalados trabalho na massa tremenda
dos poemas.
Que me olham de tão perto que eu ardo.
Um dia hei-de ficar todo límpido,
ou calcinado nervo a nervo. Ou por me ver
Deus
de um canto das palavras, com sixtinos
dedos pintados em torno à voragem
diuturna, tocando na matéria.
Ininterrupto, eléctrico.
Alguém poderia dar um grito.
Quase morro de medo ao sentir o meu nome.
Penso que apenas numa hora o sangue encharcaria
a roupa de alto a baixo, enquanto
brilha o rosto.

Às vezes Deus torna-me rápido.
Às vezes há um candelabro.
Às vezes há os mortos de que se extrai o mármore

*

In stanze squassate lavoro sulla massa tremenda
dei poemi.
Che mi guardano cosi da vicino che ardo.
Un giorno resterò turro límpido,
o calcinato nervo a nervo. O perché mi vedrá
Dio
da un angolo delle parole, com sistine
dita dipinte intorno alla voragine
diuturna, toccando la materia.
Ininterrotto, elettrico.
Qualcuno potrebbe dare un grido.
Quasi muoiodi paura a sentirei l sangue impregerebbe
i vestitti da cima a fondo, mentre
riluce il viso.

A volte Dio mi rende rápido.
A volte c´è un candelabro.
A volte ci sono i morti da cui s´etsrae il marmo.


herberto helder
flash
empira
roma
1987