04 agosto 2013

josé agostinho baptista / conheci-te



conheci-te
quando eras apenas o viajante sem nome
a rapariga admirável de veracruz.

devagar
toquei a tua fronte escura — t e acuerdas?
o rosto,            a nuca húmida,            os ombros,

descendo
descendo sempre
até ao cálido refúgio,       ao centro
onde me perdi.

revejo-te na solidão de uma pátria febril,
nestas mãos de peregrino da meia idade,
no furor do meu sangue estrangeiro,
na inteligível voz de uma alma devastada.

amei-te quanto pude
sobre a terra dos antepassados,
sob o olhar ferido da águia azteca,
sobrevoando
o tempo alto e azul,
atenta sobretudo à loucura de jeremias,
o homem que sou.

tudo aconteceu assim,
invariavelmente na planície sufocante e na pura
neve dos sonhos,
na penumbra das tardes do Pacífico e no Golfo
onde renunciámos à paixão e à vida.

conheci-te
quando eras apenas o viajante sem nome
a rapariga admirável de veracruz.



josé agostinho baptista
biografia
assírio & alvim
2000