06 setembro 2010

luís vaz de camões / correm turvas as águas deste rio







Correm turvas as águas deste rio,
que as do Céu e as do monte as enturbaram;
os campos florecidos se secaram,
intratável se fez o vale, e frio.

Passou o verão, passou o ardente estio,
umas coisas por outras se trocaram;
os fementidos Fados já deixaram
do mundo o regimento, ou desvario.

Tem o tempo sua ordem já sabida;
o mundo, não; mas anda tão confuso,
que parece que dele Deus se esquece.

Casos, opiniões, natura e uso
fazem que nos pareça desta vida
que não há nela mais que o que parece.





luís vaz de camões
sonetos






2 comentários:

Amélia disse...

um dos grandes sonetos de Camões.Abraço

OUTONO disse...

AINDA...um grande poeta!