09 setembro 2010

josé agostinho baptista / o tempo e o mar








Era um homem, a sombra de um homem e
caminhava para o mar.
Estas pegadas
são o obscuro rumor do tempo
e o tempo é uma vara oblíqua nas mãos de deus.
Que fará um homem com as dores do mundo,
com a última gota dos cálices ao lado da noite?
Reconstruir o teu rosto da amada
dar vida à sua silenciosa vida?
Matar,
no súbito ardil do Outono, os vestígios de uma
palavra secreta?
Há uma cidade profunda onde em profunda água
ela o esquece.
Quem para o mar caminha
leva consigo a maldição das ilhas com um
lírio quebrado, uma ânfora de pólen,
um adeus.






josé agostinho baptista
paixão e cinzas
biografia

assírio & alvim
2000






2 comentários:

Fernando Santos (Chana) disse...

Belo poema...Espectacular....
Cumprimentos

MJB disse...

tão belo este poema....