13 abril 2012

josé blanc de portugal / homenagem ao conde drácula ou a lua dos mortos





Velhos estão os dias; cheios
De caras rasgadas ‘inda servidoras…

Transbordam dos olhos, meios-
-Cheios de crescentes, mouras
Luas servidores de brancos altares
A deuses da noite, mortos
Nos dias solares e vivos quando
Sobe nos ares para os seus portos,
Argênteo, o disco de seu astro pertinente
E brilha a palidez escaldante, a luz dormente,
De seus rostos-jaspe de sangue vazios…

Das mortalhas-mantas pendem nastros
Iguais às cores das bocas f´ridas e dos olhos turvos,
Iguais às das bandeiras de seus grandes navios
Estivando a carga, sempre igual,
P´r´o céu dos mortos onde seu planeta
Outras luas vê e outros deuses
A boiarem nas ondas da mareta
Da esteira silente dos adeuses…

Velhos estão os dias; cheios
De caras rasgadas, ‘inda servidoras…





josé blanc de portugal
odes pedestres
o surrealismo na poesia portuguesa
org. de natália correia
frenesi
2002





1 comentário:

Pedra do Sertão disse...

Passando para desejar bom fim de semana!

A poesia é linda!

Abraço