01 setembro 2011

luís miguel nava / identidade





Ignoro o que ao certo seja ser, mas, seja o que for, dispõe de intensidade própria e regulável como o som dum aparelho ou a velocidade dum motor. Há momentos em que «sou» mais do que noutros, em que, se assim pode dizer-se, tenho a minha identidade acelerada.






luís miguel nava
poesia completa (1979-1994)
o céu sob as entranhas
publicações dom quixote
2002




2 comentários:

Daniel Rocha disse...

Luís Miguel Nava é um daqueles esquecidos da cultura portuguesa. Ainda bem! Assim, é sempre um prazer escondido que se descobre e volta a esconder.

Maria Costa disse...

Gostei de momento de leitura.