04 junho 2010

gil t. sousa / passados





19

não te esqueças de me visitar. traz-me as fotografias de Veneza e aquele poema que me escreveste quando o nosso amor ainda era o que de mais magnífico acontecera nas nossas vidas e no mundo.

havemos de nos sentar nas mesmas cadeiras como se fossem as mesmas manhãs de sábado. havemos de olhar os mesmos telhados, divagar sobre a eternidade dos gestos e jurar comovidamente que as nossas almas se tocaram de uma maneira única e inesquecível.

eu hei-de esconder-te a minha interminável solidão e tu hás-de demonstrar-me, muito inocentemente, nas tuas palavras tão cheias de vida e de juventude, como a morte nos descobre mesmo nos lugares mais altos.



gil t. sousa
falso lugar
2004


2 comentários:

magnohlia disse...

Coisa estranha, continuo a não poder ler o que escreves aqui.

magnohlia disse...

Finalmente, descobri como ler o que assinas: copio o espaço vazio e colo num programa de texto...

...e tu hás-de demonstrar-me...como a morte nos descobre mesmo nos lugares mais altos.
Gosto muito