28 agosto 2009

william carlos williams / a chaminé amarela








Há um penacho
de fumo cor
de carne pálida no azul

do céu. Círculos
de prata
enlaçam espaçadamente

a estrutura amarela de
tijolos e refulgem
nesta luz

ambarina - não
do sol não do
pálido sol mas

do seu irmão
legítimo
o outono







william carlos williams
antologia breve
tradução josé agostinho baptista
assírio & alvim
1993







1 comentário:

Luis F disse...

Foi com alegria e prazer que descobri este oasis de belas palavras e de boa poesia...

Gostei muito de por aqui ter navegado

Luis