21 agosto 2009

carlos de oliveira / tempo variável







dança



I

Dançam na praia;
na orla onde se vai acumulando
uma primeira espuma;
de que surge a segunda;
que segrega, por sua vez,
o antídoto do mar;
usado sobre os rostos,
contra a acidez do sal, do lodo;
e esse trabalho atrasa mais
o movimento já difícil
de quem dança
desde o crepúsculo; talvez
possam chegar à madrugada;
mas não podem
refugiar-se noutra noite,
ao fim do túnel diurno:


II

as máscaras de espuma, fende-as a luz; e restitui
os rostos sem defesa
à erosão do mar;
alguns estudos sobre o vento
dizem que não regressará
tão cedo a esta praia;
incapaz de transpor a exalação
de fossas e algas; a muralha
que se prolonga, opaca,
às últimas camadas
onde é possível respirar;
e assim, faltando o vento, essência da leveza, cessa
a progressão aérea
que a dança subentende:


III

sente-se a lentidão, o peso,
minarem cada gesto; e antes
do gesto, a ideia de o fazer;
dançam agora dois a dois,
reconstituem a unidade
cindida ainda há pouco; os pares
mortais; a vocação
de transformar o tempo em rostos;
somam-se duas mortes,
e obtém-se uma criança; ela, sim;
resistirá, crescendo,
ao desgaste do dia,
procurará na outra noite
o corpo que define o seu;
protege-a a espuma, a máscara,
até de madrugada; e então,


IV

das duas uma: reproduz-se
também; ou extingue em si
o fluxo da dança;
não é a conjunção dos astros
que comanda tudo;
mas a cor do céu; indecifrável;
e outros, um halo de metal,
quase cinzento, em que repousam;
ou donde se desprendem;
certas cores intermédias;
de qualquer modo, a noite
dificulta os tons, subverte-os
sem se dar por isso;


V

e o silêncio; a máquina
que mói uma energia turva,
a clarifica pouco a pouco
destilando o dia;
tritura nestas engrenagens
simples hipóteses de som;
até a memória recolher
o círculo do sol; no último
momento; quando se dissolvem,
quase simultaneamente,
dança e memória: sob a curva
acesa do regresso ao ponto
onde começa o seu desenho;
chama-se tempo a muita coisa;
mas a duração da praia
é a mais incompreensível.










carlos de oliveira
entre duas memórias
cadernos de poesia
publicações dom quixote
1971











2 comentários:

Bruxinhachellot disse...

Um bailar que se insinua na brisa das ondas de uma poesia sem tempo. Uma dança que transforma-se continuamente.

Beijos doces.

Papagaio Mudo disse...

oi,
visita-me...

Abraços,

Gustavo