06 dezembro 2008

novalis / os hinos à noite



4

Sei agora quando será a manhã derradeira - quando a luz não afugentar mais a noite e o Amor – quando o sono for eterno e um sonho só inesgotável. Sinto em mim uma fadiga celeste – Longa e penosa foi a minha peregrinação ao Sepulcro Santo, opressiva a minha Cruz. A onda de Cristal, imperceptível aos vulgares sentidos, que jorra no seio obscuro do montículo de cujo sopé o terrestre caudal irrompe, quem dela alguma vez provou, quem esteve no cume das montanhas que delimitam o mundo e olhou para Além, para a nova terra, a morada da Noite – em verdade, esse não regressará jamais aos trabalhos deste mundo, à terra onde a Luz habita em eterna agitação.
Esse é o que levantará no alto as tendas da Paz, o que sente a ânsia e o amor e que olha para Além até que a hora entre todas bendita o faça descer ao imo da nascente – por cima, flutua o que é eterno, reflui ao sabor de tormentas; mas tudo aquilo que o contacto do amor santificou escorre dissolvido, por ocultas vias, para a região do Além e aí se mistura, como os aromas, com os seres amados para sempre adormecidos.
(…)




novalis
os hinos à noite
tradução de fiama hasse pais brandão
assírio & alvim
1998





2 comentários:

www.manufatura-nova.blogspot.com disse...

Heyyyyyyyyy!!

Retornei!=DD
E vc, cm sempre, com seus textos maravilhosos!! Estava com saudade de vir aqui!=]

-----------------------------------------
Olá! O Endereço do Blog Manufatura-Nova agora tem um "tracinho" no meio! ;) Acesse:
http://manufatura-nova.blogspot.com/

Jorge disse...

Uma visão inspiradíssima do Cristo.
Os românticos tinham essa "religião" excelente. Nós perdemos o romantismo para as fábricas e as crises sazonais.
você esta no meu reader...