11 julho 2007

a erc josamu jove







Nós os intocáveis, os imundos, recusamos
nossa vida à condição comum.
Porque é intemporal a rosa que nos leva
entre o dia e a noite.
Nós os derrotados, impuros, oferecemos
nossa miséria a um significado
oculto e diferente –

asa branca na varanda
nome escrito nos telhados
estrada atravessando a terra de ninguém


Nós os últimos dos últimos coroamos
impérios e jardins










manuel de castro

surrealismo abjeccionismo
antologia selecionada por
mário cesariny de Vasconcelos
edições salamandra
1992









2 comentários:

magnohlia disse...

Muito bom, muito forte.

adelaide amorim disse...

Um belo e sombrio poema.
Abri um link para o Canal de Poesia em meu blog.
Deixo um convite para uma visita ao Inscrições - www.inscries.blgospot.com

Obrigada, um abraço.