26 agosto 2010

konstandinos kavafis / a cidade

Dizes: vou partir
Para outras terras, para outros mares
Para uma cidade tão bela
Como esta nunca foi nem pode ser
Esta cidade onde a cada passo se aperta
O nó corredio: coração sepultado na tumba de um corpo,
Coração inútil, gasto, quanto tempo ainda
Será preciso ficar confinado entre as paredes
Das ruelas de um espírito banal?
Para onde quer que olhe
Só vejo as sombras ruínas da minha vida.
Tantos anos vividos, desperdiçados
Tantos anos perdidos.


....................................................................................................



Não existe outra terra, meu amigo, nem outro mar,
Porque a cidade irá atrás de ti; as mesmas ruas
Cruzam sem fim as mesmas ruas; os mesmos
Subúrbios do espírito passam da juventude à velhice,
E tu perderás os teus dentes e os teus cabelos
Dentro da mesma casa. A cidade é uma armadilha.
Só este porto te espera,
E nenhum navio te levará onde não podes.
Ah! então não vês que te desgraçaste neste lugar miserável
E que a tua vida já não vale nada,
Nem que vás procurá-la nos confins da terra?






konstandinos kavafis
justine, lawrence durrell
tradução daniel gonçalves
ulisseia
2007







3 comentários:

magnohlia disse...

Que belo! Parece feito para mim...eheheh Salvo a pretensão, toca-me muito nesta fase da minha vida.

Duanne Ribeiro disse...

A tradução soa bem diferente desta em inglês, me pergunto qual terá sido mais fiel ao original grego:

http://trabalharcansa09.blogspot.com.br/2013/12/blog-post_22.html

Duanne Ribeiro disse...

Essa tradução que você publicou é portuguesa ou brasileira?