16 junho 2009

jorge luís borges / james joyce







Num dia do homem estão os dias
do tempo, desde aquele inconcebível
dia inicial do tempo, em que um terrível
Deus prefixou os dias e agonias,
até esse outro em que o ubíquo rio
do tempo terreal retorne à fonte
do Eterno, e que se apague no presente,
o ontem, o futuro, o que ora é meu.
Entre a alba e a noite se situa a história
universal. Assim, de noite vejo
a meus pés os caminhos do hebreu,
Cartago aniquilada, Inferno e Glória.
Dá-me, Senhor, a coragem e alegria
para escalar o pico deste dia.



Cambridge, 1968






jorge luís borges
nova antologia pessoal
trad. maria da piedade m. ferreira
difel
1983




1 comentário:

Abdoul Hakime Zahrah al Jounoub عبد الحكيم زهرة الجنوب disse...

Todas as histórias terminam com
"... e foram felizes para sempre",
Depois de todas terem
Começado com " Era uma vez..."

Ah, vida! Um dia ainda te pergunto por que
Não és como os livros; por que escruel e calada;
E na impossibilidade de receber um sim ou um não,
Hei ainda de te pedir perdão pela minha insensatez.