30 junho 2009

francesc parcerisas / juventude insolente









Agora podes ver como saem das aulas,
olhos cintilantes e gritos de euforia,
suados eles, elas com descarados seios como limões,
e páras a olhá-los, maravilhadamente confuso,
pensando no que afinal te atrai, ainda,
nessa ostentação, louca e insolente, de juventude.
Bem o sabes, seguirás o teu caminho
e eles passarão bruscamente, sem te ver,
rajada de lábios carnudos e corpos morenos,
para sempre irrecuperáveis, sorridentes e exultantes,
deixando-te apenas o teu desejo, a sempre inútil inveja.
É a luxúria da mente que acaricia
a dos corpos, o saber que ainda esperam,
a doce-amarga revelação da experiência?
Ou é, precisamente, compreender que não há nada
que possa evitar também eles caírem, lentamente,
na velha ratoeira de se irem resignando ao bem e ao mal
enquanto acreditam, enganados, que se começam a conhecer?









francesc parcerisas
quinze poetas catalães
tradução de egito gonçalves
ed. limiar
porto
1994







1 comentário:

Chris disse...

Doce-amarga revelação da experiência?... parabéns pelo seu espaço belissimo.
Cumpts,
Cristina Fernandes