28 fevereiro 2009

henri michaux / voltar





Hesitei em voltar a casa dos meus pais. Como é que eles fazem quando chove? pensei eu. Depois lembrei-me que havia um tecto no meu quarto. «Não importa!» e, desconfiado, não quis voltar.
É em vão que agora me chamam. Assobiam, assobiam na noite. Mas é em vão que utilizam o silêncio da noite para chegar até mim. É absolutamente em vão.







henri michaux
la nuit remue (1935)
antologia
tradução de margarida vale de gato
relógio d´água
1999



2 comentários:

magnohlia disse...

Magnífico.

Anónimo disse...

Acompanho com periodicidade esporádica as desflorações do seu blog.
Este texto é absolutamente formidável, mesmo, pressentindo as inevitáveis lacunas da intervenção tradutiva.