11 julho 2008

je vous écris d´un pays lointain




5

Escrevo-lhe do fim do mundo. É preciso que o saiba. Amiúde as árvores tremem. Apanham-se as folhas. Têm uma imensa quantidade de nervuras. Mas de que servem? Não há mais nada entre elas e a árvore, e dispersamo-nos, incomodados.
Será que a vida na terra não poderia prosseguir sem vento? Ou será preciso que tudo trema sempre, sempre?
Há também tumultos subterrâneos, e dentro de casa, como raivas que surgissem à nossa frente, como seres severos que quisessem arrancar confissões.
Não se vê nada, como se importasse muito pouco ver. Nada, e todavia treme-se. Porquê?








henri michaux
(escrevo-lhe de um país distante, 1942)
antologia
trad. margarida vale de gato
relógio d´água
1999






1 comentário:

oúltimosamurai disse...

Esse texto é tão bonito que eu o transformei em estrofes, ele é poesia pura, não bruta, mas pura, trabalhada com a simplicidade que só os grandes poetas tem, cujo o singelo sentimento é muitas vezes mais profundo do que verborrágicas laudas clássicas.

eis aqui como eu o deixei:

je vous écris d´un pays lointain


Escrevo-lhe do fim do mundo.

É preciso que o saiba.

Amiúde as árvores tremem.

Apanham-se as folhas.

Têm uma imensa quantidade de nervuras.

Mas de que servem?

Não há mais nada entre elas e a árvore,

e dispersamo-nos, incomodados.

Será que a vida na terra não poderia prosseguir sem
vento?

Ou será preciso que tudo trema sempre, sempre?

Há também tumultos subterrâneos, e dentro de casa,

como raivas que surgissem à nossa frente,

como seres severos que quisessem arrancar confissões.

Não se vê nada, como se importasse muito pouco ver.

Nada, e todavia, treme-se. Por quê?

espero que todos gostem ou o melhorem se isso for possível!

abraços