16 maio 2008

morte






Que triângulo ou círculo poderá cercar-te
Para que te detenhas demorada e minha
Para que não desças toda pela escada






sophia de mello b. andresen
dual
(a casa)
caminho
2004





3 comentários:

L. disse...

às vezes quando se chega ao fim da escada tem-se o corpo desalinhado

Victor Oliveira Mateus disse...

Quantas vezes nos enganamos... Quantas vezes o que, na altura, nos pareceu uma descida, com o tempo e o distanciamento, se acaba revelando uma subida...

Ramon Alcântara disse...

se o todo é o ermo, não será possível nunca as bordas... nem círculos, nem triângulos, nem outros ângulos..... bela poesia!