18 maio 2008

claro







claro que o moço na duna teve de notar
que eu o olhava intensamente.
claro que depois passou por perto de mim
com muitos movimentos dispensáveis
mesmo fazendo como quem diz que não me via.
claro que começou um ballet de primavera
com um miúdo amigo e uma bola,
claro que se fartou, em jeito demasiado à menina,
de passar a mão pelos longuíssimos cabelos
e olhou por cima do ombro ao fazê-lo,
dentes brilhando num rosto escuro.
claro que mais tarde se deitou
mastigando indolente um pé de erva
naquele tocante calção de banho desbotado
sozinho numa quente concavidade da duna.
claro que me afastei sem barulho e despercebido
e claro que passo o dia a arrepender-me disso.







hans warren
uma migalha na saia do universo
antologia da poesia neerlandesa do século vinte
selecção de gerrit komrij
tradução de fernando venâncio
assírio & Alvim
1996


2 comentários:

Victor Oliveira Mateus disse...

Lembrei Sartre: se tivesse escolhido fazer o contrário
ter-se-ia arrependido também...

Lazy Dream disse...

gostei bastante do seu blog...a forma como interpreta os sentimentos e passa para o papel,,,mt bom....eu tambem tenho um blog,,,comecei a pouco,,de poesia
http://lazydream.blogs.sapo.pt/