29 maio 2007

sem medo…






entra o vento na alma.
coalha o poema dentro do corpo
e os dedos deixam de cantar.


param as horas na mente branca.
o riso salva o silêncio
na sombra dos olhos abissais.


cessa a vida calcada,
num livro envolto de miragens.
insignificante o negrume do desejo.


na areia enterra-se o prazer.
pestífero difuso da mágoa
de ser ameaça insuspeita


esquece o acaso inimigo
em dias de discernir ruídos.
o dia cansado senta-se


não há vacuidade no valor de base
da imaginação fluente.
os sonhos não têm peso


a linguagem da morte encalhou,
resta um corpo na poesia despida!









l.maltez






1 comentário:

alice disse...

que agradável surpresa encontrar aqui um poema da amiga lena. sem dúvida, uma citação merecida.