30 dezembro 2004

quatro estações #crónicas de inverno

a imagem do inverno


cruzei-me contigo ontem no denso granizo da noite, a dureza do dia transformou secamente o rosto gasto dos silêncios das sombras. lembra-me o teu nome invernoso, negro e pesado, o vicio onde transformei as mãos amarelecidas e secas de tanto fomentar. não grites, já não te ouço, a tua voz é um eco delicioso eterno no silêncio das noites misturadas, a solidão é cega e fria.

falta-me o túnel do sono invencível. entras na companhia do vento inconcusso, um vento indiferente. os dias chegam ausentes, agasalhados nas asas de nuvens cinzentas, desarrumadas de imagens, ninguém corrompeu o sentimento do teu tempo e tu voltas sempre no mesmo dia à mesma hora.

guardo a imagem do sonho turbulento. o sonho que parece ser real, o ranger das portadas de madeira, o fragor dos vidros, onde escuto o crescer da maré, dobrado no arrepio ameaçador do inverno. a insistência em ficares envolvido nos tons cinzentos de olhar ameaçador, afogado nas águas estagnadas. guardo a solidão dos dias que trazes, sem tons, indecisos e repisados.

empurra-me deste frio que desanima e arrefece o corpo, deste inverno que me cansa.



l. maltez

4 comentários:

o som do vento disse...

saudades do que já não és
lembro-me não de ti
mas da tua imagem
que não morre em mim.

malcatinha disse...

Muito bom, Lena.
neblinazul

azulmaria disse...

I.Maltez , o inverno sentido de uma maneira especial e muito bem descrito. Gostei Lena.

Anónimo disse...

Como sempre descreves os teus poemas com muita paixão!
Adorei!