20 abril 2011

juan ramón jiménez / viagem derradeira

.

.
.

…E partirei. E ficarão os pássaros
cantando;
e ficará o meu quintal, com a sua árvore verde
mais o seu poço branco.

O céu, todas as tardes estará azul e calmo;
e tocarão, como esta tarde estão tocando
os sinos do campanário.

Irão morrendo aqueles que me amaram;
e a cada ano se fará novo o meu povoado;
e no tal recanto do meu quintal florido e calado
o  meu espírito vagueará, nostálgico…

Eu partirei; e ficarei só, sem lar, sem a árvore
verde, sem o poço branco
sem o céu azul e calmo…

E ficarão os pássaros cantando.





juan ramón jiménez
poemas agrestes
1911
tradução de nicolau saião
.
.
.
.

1 comentário:

Mac disse...

bom... mt bom
covido-te para : overboviver.blogspot.com