09 dezembro 2010

eduardo moga / onde dormem os trovões?





[…]

Onde dormem os trovões? Onde estão
as chamas que bebemos? Onde foram
as crianças despojadas das suas têmporas,
as ânforas sem vísceras, as serpentes
de olhos como fuzis, as dulcíssimas
úlceras? Por que não encontra nunca a água
o seu limite? Por que é descontínua
a rocha, por que existe só a rajadas,
a dentadas, quando antes percorria
o vasto labirinto da pulsação?
Nada escapa à fuga: nem os dedos,
que tão longe estão das esferas;
nem a mãe, que esquece o seu baptismo;
nem os lábios, fincados no inerte;
nem o vento, demolido. Quando morri?
Por que se oxidou o mar? Para onde foram
as leis, as sementes, as retinas
construídas com mãos e sondas?
A razão não perdura. Os irmãos
não nascem. Dissolve-se a unidade
do amor, reúnem-se os seus vazios,
desmoronam-se, intactos, os seus jardins.

[…]






eduardo moga
poesia espanhola anos 90
trad. joaquim manuel magalhães
relógio d´água
2000






2 comentários:

Eduarda disse...

Eduardo,

Um poema triste, real, com um cunho de revolta.

bj

Janaina Cruz disse...

Jardins desmoronam intactos quando não se deu de verdade, acho eu, os que se dão mesmo que feridos por finais, ressurgem mais tarde em novas tempestades renovando-se também os seus jardins...
Amei o versejar contido neste blog, aqui sei que hei de me inspirar imensamente, por isso sigo o