26 outubro 2009

glória gervitz / migrações (fragmentos)







Sou a que sempre fui. O inesperado de estar a ser
Chego ao lugar do início onde o começo
começa
Este é o tempo
É o tempo de despertar
A avó acende as velas sabáticas desde a sua morte
e olha-me
Estende-se o Sábado até nunca, até depois,
até antes
A minha avó que morreu de sonhos
mexe interminavelmente o sonho que a inventa
que eu invento. Uma criança louca olha-me de dentro.
Estou intacta.






glória gervitz
poemas
tradução de rosa alice branco
encontros de talábriga

2 comentários:

Amélia disse...

Obrigada por este poema.Um abraço

Alberis Luís disse...

Que poema lindo, parabéns!!

Abraços!