04 outubro 2009

fernando pinto do amaral / schubert, d.714











Demorámos um ano a aprender
alguns gestos de assombro e maravilha,
a voz da adolescência que desperta
silenciosa, depois do degelo,
e nos derrete a neve que envolvia
o próprio coração, agora aqui
à flor das nossas bocas.

Afogado na tua presença,
repito cada vez com menos estranheza
uma palavra: nós.
A sua vibração é um relâmpago
no crepúsculo da sala
e volto a encontrar a flor azul
que brota dos teus olhos, sempre em busca
de um sobressalto iluminado
quando dizemos: "toma, este é o meu corpo,
revelado por ti."

Sei hoje como é perder a inocência
e conservá-la ainda num recanto
desta sala de espelhos onde vive
a luz da tua imagem entre vozes
que celebram em coro o espírito das águas,
essa primeira esperança confiada
por Deus às nossas vidas.








fernando pinto do amaralàs cegas
relógio d´água
lisboa
1997






2 comentários:

Originalidades disse...

Gostei!...
Maria José

Eliana Mora (El) disse...

"perder a inocência e conservá-la ainda num
recanto" [...]

de uma beleza que não se perde no tempo
ao contrário, renova-se [em cada um de nós]

beijos da El