14 setembro 2009

salvador dali / a conquista do irracional





(Extracto do texto inserto em Edições Surrealistas - 1935)


Em 1935, Dali consagrou a Picasso um poema que reunia todas as suas ideias e premonições sobre a experiência genial daquele que considera como o seu outro pai.




O fenómeno biológico
e dinástico
que constitui o cubismo
de
Picasso
foi
o primeiro grande canibalismo imaginativo
que ultrapassa as ambições experimentais
da física matemática
moderna.

A vida de Picasso
constituirá a base polémica
ainda incompreendida
segundo a qual
a psicologia física
abrirá de novo
uma brecha de carne viva
e de obscuridade
na filosofia.
Visto que por causa
do pensamento materialista
anárquico
e sistemático
de
Picasso
poderemos conhecer fisicamente
experimentalmente
e sem necessidade
as novidades «problemáticas» psicológicas
de sabor kantiano
dos «gestaltistas»
toda a miséria
dos
objectos de consciência
localizados e confortáveis
com os seus infames átomos
as sensações infinitas
e
diplomatas.

Porque o pensamento hipermaterialista
de Picasso
demonstra
que o canibalismo da raça
devora
«a espécie intelectual»
que o vinho regional
compromete
a berguilha familiar
das matemáticas fenornelogistas
do futuro
que existem «figuras estritas»
extrapsicológicas
intermediárias
entre
a gordura imaginativa
e
os idealismos monetários
entre
as aritméticas transfinitas
e as matemáticas sanguinárias
entre a entidade «estrutural»
de um «linguado obsidiante»
e a conduta dos seres vivos
em contacto com o «linguado obsidiante»
porque o linguado em questão
permanece
totalmente alheio
à compreensão
da
teoria gestaltista
já que
essa teoria da figura
estrita
e da estrutura
não possui
meios físicos
que permitam
a análise
nem mesmo
o registo
do comportamento humano
em comparação
com as estruturas
e as figuras
representando-se
objectivamente
como
fisicamente delirantes
pois
não existe
nos nossos dias
que eu saiba
uma física
da psico patologia
uma física da paranóia
o que não poderia ser considerado
senão
como
a base experimental
da próxima
filosofia
da
psico-patologia
da próxima
filosofia da actividade «crítico-paranóica»
a qual um dia
tentarei examinar polemicamente
se tiver tempo
e disposição.









salvador dali
diário de um génio
tradução de josé luís luna
ulisseia
1965








1 comentário:

Luis F disse...

Gostei muito de conhecer este canto... apresento os meus parabéns e os votos de continuação

Luis