07 maio 2009

feliu formosa / baterás duas vezes








Baterás duas vezes e eu abrirei
e não quererei acreditar que sejas tu.
Entrarás num andar que desconheces
e que é feito apenas para sobreviver.
E aí me encontrarás, quem sabe
porque estranho desígnio. Entrando
na sala de jantar poderás ver o teu retrato
e os nossos livros. Soará o Nocturno.
Folhearás, quem sabe, Virginia Woolf.
Virei atrás de ti com o desejo
de sentir no meu rosto os teus cabelos.
Sentar-te-ei com infinita ternura
num dos velhos sofás compartilhados
(onde estudavas nos últimos tempos
um longo monólogo de mulher
solitária — o que nunca foste). Espiarei
os teus olhos, o triste sorriso
dos teus lábios amáveis, entreabertos,
e tudo acabará com um abraço
que será o primeiro. Deixará de haver
passado ou futuro. Tudo será lógico.

E este poema nunca terá existido.








feliu formosa
quinze poetas catalães
trad. egito gonçalves
ed. limiar, porto
1994








3 comentários:

Delirius disse...

Adorei!
Lindo! Lindo, este poema! Vou levá-lo comigo! Colocá-lo num sítio onde nunca será esquecido! Nunca! É lindo! De uma ternura que me deixa espantada de ainda encontrar!
Amei este poema, senti-o nas entranhas mais profundas do meu sentir!
Beijo!

Thay e ElÔ disse...

achei muito lindo
tocou o amago
retorno

anderson disse...

muito linda