22 outubro 2008

fiama hasse pais brandão / do outono II






Sem vento, a minha voz secou
aqui, neste parque de cedros quietos.


Tudo é como ontem era, mas a minha
voz, na minha face, calou-se,
porque só o vento me trazia a fala,
vinda de algures, com notícias de alguém,
indo para além, para outros ouvidos, num país.






fiama hasse pais brandão
as fábulas
quasi
2002





1 comentário:

VFS disse...

só os sons da memória permanecem.