20 outubro 2008

isidore ducasse / poesias









Substitui a melancolia pela coragem, a dúvida pela certeza, o desespero
pela esperança, a maldade pelo bem, as queixas pelo dever, o cepticis-
mo pela fé, os sofismas pela frieza da calma e o orgulho pela modéstia.






OS GEMIDOS POÉTICOS deste século não passam de sofismas.
Os primeiros princípios devem estar fora de discussão.
Aceito Eurípedes e Sófocles; mas não aceito Ésquilo.
Com o criador não falteis às conveniências mais elementares, nada de mau gosto.
Rejeitai a incredulidade, que me dareis prazer.
Não há dois géneros de poesias; há uma só.
Existe uma convenção pouco tácita entre o autor e o leitor, pela qual o primeiro se intitula doente e aceita o segundo como enfermeiro. É o poeta que consola a humanidade. Os papéis estão invertidos arbitrariamente.
Não quero ser manchado pela qualificação de presumido.
Não vou deixar Memórias.
A poesia não é tempestade, nem mesmo ciclone. É um rio majestoso e fértil.
(…)








isidore ducasse
conde de lautréamont

cantos de maldoror
poesias
trad. pedro tamen
fenda
1988



1 comentário:

Ramon Alcântara disse...

bela versão da poesia, mas impossível aceitar a pós-modernidade com versão e não versões...

abzzzz