13 outubro 2008

herberto helder / estende a tua mão...







estende a tua mão contra a minha boca e respira,
e sente como respiro contra ela,
e sem que eu nada diga,
sente a trémula, tocada coluna de ar
a sorvo e sopro,
ó
táctil, ininterrupta,
e a tua mão sinta contra mim
quanto aumenta o mundo






herberto helder
a faca não corta o fogo
assírio & alvim
2008







4 comentários:

Anónimo disse...

Belíssimo.
O livro não vai ser reeditado.

f

AnaMar disse...

Encontro aqui, as palavras que hoje me faltam...

as velas ardem ate ao fim disse...

Belissimo poema!Palavras que gosrava de dizer...

um bjo

victor l. disse...

Herberto Helder não é melhor nem pior que outro poeta. É único, foi sempre. E nada mais.