05 agosto 2007

elogios

V







… Pois estas águas calmas são como leite
e tudo o que se derrama nas macias solidões da manhã.


A ponte lavada, ao amanhecer, com uma água semelhante no sonho à mistura da aurora, faz com o céu uma bela analogia. E a Infância adorável do dia desce mesmo, pela trepadeira das tendas enroladas, à minha canção.


Infância, meu amor, não é senão isto?


Infância, meu amor… esta dupla ligação, do olho e da destreza de amar…
Está tão calmo e morno,
e por tanto tempo,
como é estranho estar aí, de mãos dadas com a facilidade do dia…


Infância, meu amor! é preciso abandoná-la… E já o disse, então? não quero mais estas roupas
a roçar aí, no incurável, nas verdes solidões da manhã… E já o disse então? é preciso servir
como uma velha corda… E este coração, este coração, ai! que se arrasta sobre as pontes, mais humilde e selvagem, e mais extenuado que um velho lambaz…













saint-john perse
elogios
trad. jorge melícias
quasi
2002





3 comentários:

magnohlia disse...

que lindo...

Dewilme disse...

parabéns pelo blog e pelo conteudo. Muita coisa francófona. Novamente parabéns...

Lilia disse...

Saint-John Perse é um dos meus poetas favoritos. Lindo, não é?
Bizz
Lilia