02 fevereiro 2007

há um ruído



há um ruído que se silencia
no escorreito de tuas veias

é o silêncio amurado
que corre desencontrado
em direcção a rápidos

há um ruído que se silencia
forte de centelha

que envenena no teu choro
de menina
e arde como roma

ao nero olhar à pira

há um ruído que emudece
se te beijo o corpo
a alma

há um ruído que transparece
se me transcende
se te transcende

há um ruído que se silencia
só para não gritar






nuno travanca
31 julho 2006







2 comentários:

magnohlia disse...

Muito bonito.

Poesia em Rede disse...

Convidamos todos os visitantes deste espaço a participarem neste Concurso de Poemas de amor!