02 abril 2006

post it / tiago alexandre correia

OS AMANTES COM DINHEIRO


Tinham o portão fechado a quem passava.
Tinham salas com brasões
e aquecimento central na mansão.
Tinham jardins onde a lua repousava
nos estofos da limousine
e um banqueiro rico por irmão.
*
Tinham como todos da espécie
o milagre da multiplicação do Euro
engordando nas contas;
e olhos de cifrão
onde ardiam
as megalomanias mais pomposas.
*
Tinham fartura e gula como os abades,
e silêncio
à roda dos seus chás,
mas a cada telefonema que faziam
um ministro caía
e deslumbrados penetravam nos lobbys.



tiago alexandre belejo correia



(poema/homenagem a Eugénio de Andrade, enviado pelo Tiago no dia da morte do poeta)

1 comentário:

mim disse...

Gosto