28 março 2005

quatro estações #crónicas de inverno

Image hosted by Photobucket.com

19:40


o relógio da estação marcava
dezanove e quarenta

um alto e entroncado homem
sorria de um dos lados da linha

todos os dias

do outro sorria uma mulher
com os seus dezanove
e quarenta anos

a reter, os brincos da mulher
estridentes de silêncio

e as botas dele
invulgarmente mudas

a dilecção dela
eram homens pontuais

a dele mulheres
sorridentes ao silêncio

dia dezanove de um mês
invernoso
do ano de quarenta

de um lado da linha
não havia vislumbre
de mulher ou homem

e do outro
também não



nuno travanca

10 comentários:

andreia disse...

Gosto do blogue. Discreto, simples, bem escrito.
Já agora deixo link para o meu blogue: http://www.icicom.up.pt/blog/muitaletra/

andreia disse...

Gosto do blogue. Discreto, simples, bem escrito.
Já agora deixo link para o meu blogue: http://www.icicom.up.pt/blog/muitaletra/

amadorjp disse...

Há blogs que merecem um elogio, e o teu é um deles! Belos textos e excelentes fotos!! Aproveitei tb para te "pedir licença" para te linkar pelo meu blog para que os visitantes tenham a oportunidade de te visitar tb! Um abraço - João (http://p3nsam3ntos.blogs.sapo.pt)

Instantes Perdidos disse...

Sim, gostei do poema...

Soou estranho, mas soou bem...

Não são 19:40 neste momento,

Mas são poemas de 19 valores e 40 dB sonoramente profanos na mente.

Muito bom...

Artur Rebelo

Anónimo disse...

Travanca, não sou teu fã. Parece-me que qd te tornares um pouco mais humilde e deixares a pose de vedeta que tens, poderás ser um bom poeta.

Mas este poema é bastante bom. Impossível não se gostar.
Parabéns.

Ana Maria.

Anónimo disse...

dia dezanove de um mês
invernoso
do ano de quarenta

a única estrofe k gostei... n tou a dizer isto p deitar o poeta abaixo, apenas acho k tem alguma falta de conteúdo. noto o amor platónico e a ideia k transmites, mas acho k foi mal explorado por estrofes e versos demasiado curtos. expande um bocado mais as ideias. se fores bom, e acho k és, podes fazê-lo sem compremeter o poema e a sua estética.

Anónimo disse...

"a reter, os brincos da mulher
estridentes de silêncio

e as botas dele
invulgarmente mudas

a dilecção dela
eram homens pontuais

a dele mulheres
sorridentes ao silêncio"

_____________________________

não interessará ao poeta que eu diga que isto é muito, muito bom. nem que outros digam que não o é.

o poeta escreve para si. e vive do que escreve dentro dele.

e mais nada.

não é, nuno?

Nan disse...

o anterior comentário é meu. sem querer, saíu anónimo.

n disse...

os poemas são dos leitores.

se disserem bem de algum poema, dirão, provavelmente de si próprios, assim como o contrário, também.


o que escrevi fui eu que escrevi. se quiserem chamem-me anónimo, eu até agradeço.

menina limão disse...

pois eu gostei muito deste poema. ;)